Resumo Trimestral de Leituras #1


Estamos quase a chegar ao fim de Março, daí que surja a necessidade de fazer um pequeno balanço do que li nos primeiros três meses do ano. Acabou por ser um trimestre produtivo, que me possibilitou ler vários géneros distintos e de maneira geral gostei do que li. Tenho o objetivo, no entanto, de ler ainda mais e melhor no segundo trimestre; o que não será tarefa fácil. 🙂

Aqui fica a lista dos livros que li nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março:

Lisboa no ano 2000 – Organização João Barreiros

O Espião que Saiu do Frio – John le Carré

O Coração é um Predador Solitário – João Barreiros

O Saque de Lampedusa – João Barreiros

A Cativa, Wulfric #1 – Manuel Alves

Mares de Sangue, The Gentleman Bastards #2 – Scott Lynch

Exhalation – Ted Chiang

Suspeito – Robert Crais

Os Anjos Não Têm Asas – Ruy de Carvalho

O Amigo Fritz – Erckmann-Chatrian

A Lenda do Vento, A Torre Negra #4,5 – Stephen King

As Raparigas Cintilantes – Lauren Beukes

Operação Tolerância Zero, X-Men #65  – Scott Lobdell

Os Anos Perdidos, Merlin #1 – T. A. Barron

Terminei o ano de 2014 a ler um fantástico conto de João Barreiros nos Anos de Ouro da Pulp Fiction Portuguesa e comecei 2015 com uma antologia organizada por ele. Lisboa no Ano 2000 foi uma antologia muito boa que recomendo largamente, acima de tudo original. Barreiros juntou um grupo de talentosos autores nacionais para recriar uma Lisboa distópica, onde as freiras comem fadas ao pequeno almoço, o Tejo é abrigo de enguias electrónicas e podes passear no Rossio através de monocarris. Tive ainda o privilégio de ler mais dois contos de João Barreiros. O Coração é um Predador Solitário e O Saque de Lampedusa são duas excelentes leituras, onde podemos revisitar o universo montado em Lisboa no Ano 2000. No primeiro temos um caçador de destroços à procura de um artefacto poderosíssimo no interior de uma enorme serpente mecanóide que jaz morta na Baía de Cascais. No segundo conto, temos a tomada da ilha de Lampedusa em Itália por sujeitos robóticos às ordens da Grobe Germânica. Tudo isto no fantástico cenário futurista criado pelo autor. Não deixem de ler.

Sem título

No entretanto tive o prazer de ler um grande clássico de espionagem. O Espião que Saiu do Frio é um livro que já há algum tempo me despertava interesse e tive de ler. John le Carré é um dos meus autores preferidos e este livro mostra bem porquê. Ele esteve lá. Le Carré descreve na perfeição a verdadeira espionagem, os Serviços Secretos britânicos ao seu mais alto nível, sem perseguições mirabolantes mas com intricadas intrigas, e Alec Leamas é um personagem complexo e fascinante. Seguiu-se A Cativa, de Manuel Alves. É o primeiro volume da saga Wulfric, uma série com muito potencial de um escritor talentoso. Uma história dos infernos em que Lucifer e Mefistófeles lutam pelo poder no grande Inferno, e quiçá na Terra. Provavelmente vencerá aquele que tiver o apoio de Wulfric, o Mestre Lobo e grande protagonista da história. Apesar de a leitura não ser fácil, é um livro com muita qualidade, apenas disponível em formato digital.

Sem título

E se As Mentiras de Locke Lamora foi um dos meus livros preferidos de 2014, não podia deixar passar muito tempo sem ler mais aventuras destes Cavalheiros Bastardos. Entrei, por isso, em Fevereiro da melhor maneira. O segundo livro, Mares de Sangue, para mim não foi tão bom como o primeiro, mas foi o suficiente para cimentar Scott Lynch como um dos meus escritores preferidos. Aqui, Locke e Jean enfrentam novas aventuras, agora em Tal Verrar. Se já enfrentaram um feiticeiro e sobreviveram, nesta segunda aventura vão-se meter com pessoas ainda mais perigosas, como o maquiavélico Arconte ou o audaz Requin, o dono do casino. Uma saga imperdível para quem gosta de boa fantasia, ou seja adepto dos filmes Piratas das Caraíbas, Ocean’s Eleven ou da série Prison Break. Seguiu-se Exhalation, o primeiro conto que tive oportunidade de ler de Ted Chiang, um autor não publicado em Portugal.  Fiquei muito fascinado pela história curta e direta, um mundo onde os amigos se encontram para conviver e trocarem de pulmões, e onde os cérebros dos indivíduos são feitos de ouro.

Sem título

Suspeito, de Robert Crais, é um policial bem escrito sobre o início de uma bonita relação entre um homem e uma cadela. O sujeito, polícia de profissão, perdeu a colega durante um tiroteio e ficou traumatizado com isso. Com a ajuda da cadela Maggie, que perdeu o seu dono em guerra no Afeganistão e foi treinada para ações de guerra, ele consegue devolver a estabilidade a si próprio e, acima de tudo, descobrir o assassino da sua parceira. Não tenho grandes críticas a apontar, mas foi um livro muito “sentimentalóide” que não me deixou saudades. O livro Os Anjos Não Têm Asas de Ruy de Carvalho foi uma muito agradável surpresa. Ele já estava na estante há muito tempo e nunca tive expetativas para ele. Quando o li, maravilhei-me. Se a história de vida do homem me merece grande respeito, partilhar através da leitura a sua maneira de estar no mundo foi uma sensação fantástica. O Amigo Fritz da dupla de autores francesa Erckmann-Chatrian foi o livro que se seguiu. Fala sobre um homem rico e boémio que começa a ver a vida de uma forma completamente distinta depois de se apaixonar por uma jovem que o servia. A perseguição ao amor é a mais-valia do livro, que apesar da leitura fácil, me deixou um pouco aborrecido pela falta de conteúdos menos novelescos.

Sem título

Seguiu-se uma pequena pausa nas leituras e só voltei a escrever opinião quase um mês depois, com a fantástica A Lenda do Vento. Levei metade do mês de Março a ler o livro mais por falta de tempo que por desinteresse. Este é o volume 4,5 da saga A Torre Negra de Stephen King, e apesar de se afirmar como volume isolado, tem alguns spoilers, por isso leiam entre o volume 4 e 5 da saga. Teve algumas passagens mais lentas mas é fascinante o mundo criado pelo autor, onde os descendentes do Rei Artur se tornaram cowboys no árido Mundo Médio. Esta leitura foi um pequeno aperitivo enquanto não leio o terceiro volume da saga, Terras Desvastadas.

Depois vieram As Raparigas Cintilantes de Lauren Beukes. Um livro negro e sombrio, mas de leitura leve e refrescante. A linguagem é muito crua e acessível, a história fascinante. O que aconteceria se um serial killer psicopata encontrasse uma casa que lhe permite viajar no tempo? Uma das melhores leituras do ano até agora. Decidi também começar a reler as minhas bd’s do X-Men, e decidi começar do início da minha coleção. A Operação Tolerância Zero mostra-nos Bastion, um grande vilão que lidera uma verdadeira caça aos mutantes, uma interessante analogia ao mundo atual, onde o preconceito e a ignorância persegue as minorias. Terminei então as leituras no mês de Março com o primeiro volume da saga Merlin de T.A. Barron: Os Anos Perdidos. É uma fantasia juvenil que nos mostra os primeiros anos do grande feiticeiro que povoa as lendas. Na verdade, Barron leva o pequeno Merlin para Fincayra, uma ilha entre o nosso mundo e os Outros Mundos, local mágico onde as árvores falam, os Gigantes são seres bondosos e os duendes seres que trabalham para as trevas. Merlin só poderá salvar o local entrando num castelo rodopiante e enfrentando o rei, que havia sido enfeitiçado pelo senhor das trevas, Rhita Gawr. Não está mal escrito, mas acho este tipo de infantis que copiam os mundos de Tolkien e Lewis bastante fracos. Assim terminaram as leituras no primeiro trimestre de 2015, e irei iniciar Abril com uma introdução a Neil Gaiman.

Continuem a acompanhar-me e boas leituras. 🙂

Anúncios

10 thoughts on “Resumo Trimestral de Leituras #1

  1. Olá Nuno!

    É tão bom perceber que estamos a cumprir os objectivos a que nos propomos no final do ano, não é? Tens aí uns quantos livros que também vou querer ler, um dia, em especial as obras do Barreiros.
    Espero que consigas manter este ritmo de leitura. Ah e já agora, que gostes muito dos Bons Augúrios. Não sei se acabo 2015 sem o reler.

    beijinhos!

    1. Olá, Sofia! É verdade, está a ser um bom ano em matéria de leituras 😛
      Em relação ao Bons Augúrio estou a gostar sim senhora 🙂 Ainda um pouco a ambientar-me. 😛
      Mas comecei ontem o livro de contos Coisas Frágeis e vou acabá-lo em breve 😀

      Beijinho e boas leituras

  2. Saudações,

    Bem que dizer duma mensagem destas, grande inicio de ano sem duvida, assim mantenhas a qualidade e quantidade apresentada neste primeiro trimestre, nunca deixando de parte continuar a escrever mais sobre Zallar 😀

    Abraço e boas leituras

  3. Olá Nuno!

    Excelentes objetivos literários e que bom estares a ir ao encontro deles. Muito bem =)

    De todos os que leste aquele o único que li foi o do Locke Lamora. Tenho muita curiosidade sobre o das Raparigas Cintilantes.

    Beijinhos e boas leituras =)

    1. Olá :p

      É verdade, está a correr bem.
      No segundo trimestre quero ler mais do Gaiman, do King e do Barreiros, e adquirir a segunda parte do Tigana e o Miniaturista 🙂

      Beijinho 🙂

  4. Olá Nuno,

    Foram boas leituras!!
    Ainda não li nenhum desses livros, mas estou muito curiosa com “As raparigas cintilantes” e “O Espião que saiu do frio”. Quero muito ler estes dois!

    Beijinhos e boas leituras.

  5. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #2 | Nuno Ferreira

  6. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #3 | Nuno Ferreira

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s