A Tumba


O texto seguinte pode conter spoilers do conto “A Tumba”

H. P. Lovecraft foi um dos mais conceituados autores de horror de que há memória. Impulsionador do género horror fantástico, Howard deixou um legado riquíssimo que tem servido de inspiração a vários autores contemporâneos.

A Tumba é um dos imensos contos deixados por este autor. Através de uma narração em primeira pessoa, conhecemos o personagem Jervas Dudley, um rapaz que desde tenra idade revelou uma inusitada afeição por cemitérios e forças do oculto, uma curiosidade crescente por objetos e leituras estranhas numa criança da sua idade. Certa noite, o jovem Jervas descobre uma sepultura abandonada num mausoléu familiar e apesar de não ter força para quebrar as correntes que o encerram, começa a visitar o local com regularidade…

Viagens à Lareira #11: Para cumprir o desafio literário, Novembro tinha de trazer terror. A partir daí, aventurei-me a ler um conto de um dos maiores ícones desse género.

Sem Título

SINOPSE:

Howard Phillips Lovecraft é um dos mais célebres dos autores de terror e ficção cientifica de todos os tempos. As suas histórias, repletas de criaturas extraordinárias e sobrenaturais, prendem o leitor pagina após pagina.

OPINIÃO:

Não sou conhecedor do trabalho de Lovecraft para tecer comparações com outras histórias do autor, mas este conto despertou-me o interesse na sua obra. Mais do que pela emoção da narrativa, que não foi por aí além nem esteve perto de ser um horror que me impressionasse, acho que o autor conseguiu, através de uma escrita fluída e intimista, desenhar o retrato a que se propôs. E desenhou-o como um mestre.

Jervas é um protagonista excecional, que desde o primeiro momento nos revela a sua capacidade de surpreender e inquietar. Quando começa a narrativa, abre logo o jogo, não se trata de uma pessoa normal – afinal, ele está confinado num asilo de loucos. O personagem surge desde logo imbuído de uma carga sinistra, narrando a sua infância negra e arrastando consigo tudo o que isso tem de mórbido e de premonitório. A história é curta mas consegue ser ao mesmo tempo densa e elegante, deixando no ar uma nuvem de incerteza sobre a veracidade dos factos. Posso acrescentar que a cena do incêndio e o desfecho são muito bons.

Recomendo a quem seja fã de horror. Ainda que não me tenha impressionado por aí além, é um conto envolvente, pintado de sombras.

Avaliação: 8/10

Anúncios

3 thoughts on “A Tumba

  1. Pingback: Novembro de 2015 | Rascunhos

  2. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #4 | Nuno Ferreira

  3. Pingback: Dagon | Nuno Ferreira

feedback

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s