Os Pilares da Terra #1


O texto seguinte pode conter spoilers do livro “Os Pilares da Terra”, volume um

O célebre escritor britânico Ken Follett sempre esteve nos lugares cimeiros das minhas preferências literárias. Dotado de um invulgar talento para contar histórias, sempre despertou a minha curiosidade com os temas apresentados e durante algum tempo foi presença assídua nas minhas leituras. Se A Chave para Rebecca se tornou um dos meus livros preferidos de sempre, nos últimos anos o meu interesse neste autor veio a decair, talvez pela minha vontade de experimentar outros géneros literários. Depois de algum tempo sem ler nada de Follett, decidi começar este ano com um enorme desafio. Ler Os Pilares da Terra.

sem-titulo
Prior Phillip e Jonathan (bitayamoka)

Este volume não é novidade para mim. A verdade é que a versão portuguesa de Os Pilares da Terra está dividida em dois volumes e, há alguns anos atrás, como bom fã de Follett que era, aceitei esta aventura. Confesso que, à época, era um leitor bem menos entusiasta e a grossura dos livros assustou-me um pouco. Ainda assim, concluí a leitura do primeiro volume, que se tornou uma das minhas histórias preferidas. Preparado para continuar a leitura do livro, percebi que já não me lembrava bem da história, apesar de ter visto alguns episódios da série de TV aqui há três ou quatro anos. 2016 começou então com a releitura desta aventura imensa.

Os Pilares da Terra (1989) conta-nos a história de vários personagens riquíssimos, todos eles com igual protagonismo. Passada no século XII, inicia-se no período em que Estevão e Matilde lutavam pelo trono de Inglaterra. Follett apresenta-nos uma série de personagens inesquecíveis. Conhecemos Tom O Construtor, um homem rude e de bom coração que apenas pretende o sustento da sua família e cumprir o sonho de construir uma Catedral; Ellen, a misteriosa mulher por quem Tom se apaixona após a morte da sua esposa, vive com o filho Jack na floresta e esconde um grande segredo; Phillip, o prior de Kingsbridge, um homem devoto que com fibra e grande coragem consegue enfrentar os mais terríveis vilões, como o bispo Waleran Bigod ou os Hamleigh. Conhecemos também Aliena e Richard, os filhos do conde Bartholomew, caídos em desgraça após a acusação de traição provada contra o seu pai; ainda crianças, tiveram de aprender a sobreviver sozinhos após um ato de terrível crueldade.

Sem título

SINOPSE:

Na Inglaterra do século XII, Tom, um humilde pedreiro e mestre-de-obras, tem um sonho majestoso – construir uma imponente catedral, dotada de uma beleza sublime, digna de tocar os céus. E é na persecução desse sonho que com ele e a sua família vamos encontrando um colorido mosaico de personagens que se cruzam ao longo de gerações e cujos destinos se entrelaçam de formas misteriosas e surpreendentes, capazes de alterar o curso da história. Recheado de suspense, corrupção, ambição e romance, Os Pilares da Terra é decididamente a obra-prima de um autor que já vendeu 90 milhões de livros em todo o mundo.

OPINIÃO:

É com poucas dúvidas que sublinho que reler este primeiro volume foi muito mais gratificante do que senti à primeira leitura. Apesar de ter um início um pouco maçudo, senti-me comovido com o sentido de família de Tom, com as suas convicções e maneira de ser. Ao mesmo tempo, ver crescer Phillip como homem e perceber a maneira de pensar do prior foi extremamente cativante. A forma como aquele homem simples e ingénuo conseguiu ir passando a perna aos sujeitos mais ardilosos foi, sem dúvida, impressionante, sem cair no inverosímil.

Envolvi-me nesta história desde o primeiro momento e digo com segurança que li poucas coisas tão boas. Por um lado, conhecemos vários personagens com igual protagonismo, as suas idiossincrasias e motivações. O livro é extemamente bem escrito, aqui e ali exagerado na descrição – como no caso do incêndio da igreja ou nas deambulações de Aliena e Richard – mas com um pormenor vívido sem se tornar maçudo. Os capítulos são enormes mas raramente se passam todos na mesma perspetiva, pelo que é frequente a mudança de ponto de vista sem que demos logo conta. Isso apenas prova a agilidade literária de Follett.

sem-titulo
Aliena (deviantart)

A forma como os personagens se cruzam e interligam é, certamente, o que torna o livro mais saboroso. E ver que muitos dos personagens a quem nos afeiçoamos se unem por um mesmo objetivo é o zénite por que os leitores de qualquer grande obra mais aguardam. De uma forma cruel, o autor mostra-nos cenas de grande violência, incluindo mortes e violações ricamente detalhadas. Ainda assim, o sofrimento passado pelos personagens apenas nos faz torcer mais por elas. Com uma rede de intrigas onde os falhanços dos vilões só os tornam mais vingativos, o autor convida-nos a esperar pelo pior, com a esperança que ocorra o melhor. E o melhor será ver os vilões castigados e a tão ansiada Catedral construída em Kingsbridge.

A verdade é que a obra ainda está a meio, e sigo de imediato para a segunda metade sem saber o que irá acontecer. Que intrigas Waleran irá ainda tecer? Quando é que o nojento do William paga de vez pelos seus crimes? Estou, no entanto, convicto que o desenlace da trama irá passar muito pela misteriosa Ellen, a identidade do pai de Jack e também o pequeno Jonathan não será um mero figurante. A continuar ao mesmo nível, Os Pilares da Terra será certamente um dos melhores livros que já li.

Avaliação: 9/10

Os Pilares da Terra (Editorial Presença):

#1 Volume Um

#2 Volume Dois

Anúncios

16 thoughts on “Os Pilares da Terra #1

  1. Anónimo

    Sem dúvida uma leitura obrigatória (para mim) , tb vi alguns episódios da série depois de ter lido algumas páginas de um livro emprestado. O ano passado comprei os 2 livros e pretendo ler em breve

    Bjos

  2. Nuno, vai já pegar na continuação!!

    Eu adorei Os Pilares da Terra. Comecei 2015 com o segundo volume e acabei a leitura com vontade de ler um livro de follett por ano (pelo menos). Espero ainda este ano pegar na continuação da série (Um Mundo Sem Fim).

    Esperam-te muitas surpresas 🙂

    Fico ansiosa por ler a tua opinião à continuação.

    beijinhos

    1. Já comecei a ler. Aiii, aquele William, que ódio xD
      Também tenho Um Mundo Sem Fim em digital, não sei se lerei já este ano, conforme se vão desenrolando as leituras.
      Espero que me surpreenda pela positiva. Beijinho e boas leituras.

  3. Já li os Pilares da Terra por duas vezes, isto é li-o numa edição há muitos anos atrás em que era um só volume, talvez há uns vinte anos. Agora recentemente, quando esta edição surgiu e se começou a falar nela li-o novamente.
    Não é a minha leitura preferida, embora tenha gostado bastante da história e da escrita de Ken Follet.
    Boa leitura

    1. Eu gosto bastante de Ken Follett, aliás ele era o meu escritor preferido, até há cerca de dois anos, em que comecei a entrar no mundo fantástico. Mas não há muitos autores que goste mais.
      Beijinho e boas leituras.

  4. Luisa Bernardino

    Olá Nuno
    Adorei a tua opinião. Nunca li Os Pilares da Terra mas vi a série de TV e adorei. Acredito que o livro neste caso os livros sejam ainda melhores. Gostaria muito de ler um dia.

    1. Olá Luísa. Olha, eu não vi a série toda, só os primeiros 3 episódios (acho), mas acho que modificaram algumas coisas.
      Ainda assim tanto um como o outro são excelentes. É uma boa aposta 😀
      Beijinho e obrigado pela opinião.

  5. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #5 – Nuno Ferreira

  6. Pingback: TAG – Os Cavaleiros do Apocalipse – Nuno Ferreira

  7. Pingback: Os Pilares da Terra #2 – Nuno Ferreira

  8. Pingback: As Escolhas de 2016 – Nuno Ferreira

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s