Príncipe dos Espinhos, Trilogia dos Espinhos #1


Há quem diga que Kent Vermelho tinha um coração negro, e poderia ser verdade, mas quem o tivesse visto derrotar uma patrulha de seis soldados com machado e faca diria que o homem tinha alma de artista.

O texto seguinte contém spoilers do livro “Príncipe dos Espinhos”, primeiro volume da série Trilogia dos Espinhos.

Príncipe dos Espinhos é o primeiro volume da aclamada Trilogia dos Espinhos de Mark Lawrence, finalista do prémio Goodreads para melhor livro fantástico. Em Portugal foi recentemente publicado pela editora TopSeller.

Quem é o Príncipe dos Espinhos?

O príncipe Honorous Jorg Ancrath é o mais velho dos filhos do Rei Olidar do Castelo Alto. Aos dez anos de idade, o coche onde viajava com a mãe e o irmão mais novo, o pequeno Will, foi atacado por homens do Conde Renar, senhor de uma terra vizinha. No entanto, um dos guardas conseguiu salvá-lo e atirá-lo para um espinheiro, de onde assistiu à terrível morte da mãe e do irmão, enquanto os espinhos perfuravam a sua pele. Algum tempo depois, os soldados do Rei salvaram-no e levaram-no para o Castelo, onde recuperou das suas feridas. Durante esse tempo, descobriu os verdadeiros motivos do atentado, e a participação do seu pai.

Possuído por uma raiva exacerbada, libertou os prisioneiros das masmorras – que se chamavam uns aos outros de irmãos – e fugiu com eles do Castelo, abandonando o seu mentor, Tutor Lundist, à morte. Um cavaleiro do Rei, Makin, foi enviado para o fazer regressar, mas acabou por se juntar ao grupo, protegendo Jorg com a sua vida. Apesar da tenra idade, Jorg tornou-se um líder entre os irmãos de estrada, pilhando, violando e matando à sua passagem. A vingança, porém, estava apenas a começar. Jorg jurou a si mesmo que quando completasse 15 anos, seria Rei.

Sem título 2
Pormenor do livro

A história

Tudo começa com Jorg e os seus “irmãos” na estrada. A maioria dos capítulos começa com uma descrição (narrada por Jorg) de cada um dos seus companheiros e das suas peculiaridades. Makin, Burlow, Rike, o Núbio, Elban, Kent Vermelho, Sim e Mentiroso são apenas alguns dos muitos “irmãos de estrada” que são apresentados ao longo do livro. A ação propriamente dita, porém, começa quando o grupo encontra um padre do Castelo Alto no caminho, e Jorg planeia o seu regresso a casa.

O Rei Olidar está rodeado de pessoas de índole dúbia. A sua nova esposa grávida, Sareth Scorron, vê Jorg como uma ameaça à sucessão do seu filho. A irmã dela, Katherine, parece doce. Sageous, um bruxo dos sonhos, parece aterrador. Os cavaleiros da távola não parecem guardar grande amor por Jorg. Após uma série de confrontos, o Rei Olidar lança um desafio ao filho que julgava morto: conquistar o Castelo Vermelho de Gelleth para si.

Obviamente, o rei julga que o jovem filho não o conseguirá, mas Jorg está disposto a provar o contrário. Com os seus irmãos de estrada, lança-se pelo submundo, onde trava amizade com os leucrota, um povo de criaturas disformes que fazem lembrar gárgulas, e enfrenta os mortos-vivos controlados por uma terrível necromante. Vários dos seus amigos morrem, mas Jorg parece apenas divertido e não só vence os necromantes, como ativa uma bomba atómica que mata todos os habitantes do Castelo Vermelho e das povoações vizinhas.

De regresso ao Castelo Alto, Jorg apresenta a sua vitória ao pai, mas o velho rei crava-lhe uma faca no peito. Todos o julgam morto, mas ele sobrevive e pelo meio descobre que esteve, desde o início, a ser controlado pelo bruxo do Conde Renar, o terrível Corion. Em vez de começar por se vingar do pai, Jorg avança para o castelo de Renar, “A Presença”, com todos os seus companheiros, o exército da Vigia e os leucrota. No fim dessa batalha, Jorg torna-se Rei.

Sem título 2
Capa TopSeller
SINOPSE:

Finalista do prémio Goodreads para Melhor Livro Fantástico 

Com apenas 9 anos, numa emboscada planeada pelo inimigo para erradicar a descendência real, o príncipe Jorg Ancrath é atirado para dentro de um espinheiro, onde fica preso, com espinhos cravados na sua carne, a ver, impotente, a mãe e o irmão mais novo a serem brutalmente assassinados.

De alma destruída, sedento de sangue e de vingança, Jorg foge da sua vida luxuosa e junta-se a um bando de criminosos e mercenários, a quem passa a chamar de irmãos. Na sua mente há apenas um pensamento, matar o Conde de Renar, o responsável pelas mortes da mãe e do irmão, pelas suas cicatrizes e pela sua alma vazia.

OPINIÃO:

Aqui está um livro que queria muito ler. Adquiri-o pouco depois de ser publicado em Portugal e li-o em menos de uma semana. Não é nenhuma obra-prima da fantasia e há autores melhores publicados em português, mas não dei tempo nem dinheiro por mal empregue. O rumo da história foi o que menos me agradou neste primeiro volume da Trilogia dos Espinhos, mas o mundo trabalhado e a escrita de Mark Lawrence compensaram os pontos menos positivos.

sem-titulo
Príncipe de Espinhos (pinterest)

Há que realçar o worldbuilding de Mark Lawrence. Apesar de tudo indicar tratar-se de uma fantasia medieval, rapidamente percebemos que a ação se passa num mundo pós-apocalítico. Os castelos são o remanescente dos edifícios existentes no nosso mundo, e aqueles que construíram tanto os edifícios como as estradas são considerados pelos personagens como figuras mitológicas, os Construtores.

O Cristianismo continua a ser praticado, com o nome de Jesu (Jesus) a vir aos lábios dos personagens em várias ocasiões. Também vários filósofos e teóricos são citados frequentemente, e paira a sensação que a Antiguidade Clássica é muito mais familiar aos habitantes desse mundo do que a atualidade em que vivemos, como se os escritos antigos fossem a única ponte de conhecimento sobre o que aconteceu antes do fim do mundo. Referências a robots e a bombas também não passam despercebidas, sempre de uma forma muito discreta, sublinhando a ignorância do protagonista.

sem-titulo
Jorg Ancrath (Jessica Lang)

A escrita do autor é elegante e intimista. Tendo Jorg como narrador durante todo o livro, somos convidados a conhecer o personagem de uma forma maravilhosa. Os diálogos sarcásticos e sujos entre os irmãos de estrada são memoráveis. Um pequeno destaque para o trabalho de edição da TopSeller. Para além de não encontrar nenhum erro ortográfico, o livro é todo ele bem trabalhado a nível gráfico, e no que respeita ao papel, dei por mim a saborear o seu cheiro com agrado.

Como pontos menos positivos, tenho a apontar a forma como Lawrence conduziu a história. A fantasia associada aos bruxos de sonhos até estava interessante, mas a forma como os personagens incomuns emergiram na narrativa desagradou-me. Não gostei dos leucrota, não percebi o papel de Jane, achei forçada tanto a forma como ocorreu a viagem ao submundo como o que aconteceu depois de uma punhalada régia. O facto de o protagonista mudar muito depressa os alvos do seu ódio também não me agradou.

Fica a sensação que foi um livro muito pequeno, com muitos personagens que não foram desenvolvidos. Em contraponto, Jorg foi um protagonista fantástico, muitíssimo bem trabalhado (e adorei o Núbio). O livro deveria ser maior e desenvolver melhor tanto os personagens como o desenrolar dos acontecimentos. Ainda assim foi uma ótima leitura e fico a aguardar a publicação do segundo volume. Recomendo.

Avaliação: 7/10

Trilogia dos Espinhos (TopSeller):

#1 Príncipe dos Espinhos

#2 Rei dos Espinhos

#3 Imperador dos Espinhos

Anúncios

7 thoughts on “Príncipe dos Espinhos, Trilogia dos Espinhos #1

  1. Olá! =)

    Já li o livro e gostei! Alguns aspetos da minha opinião vão ao encontro da tua. O autor podia ter explorado muito mais, tanto as personagens, como o contexto e o conteúdo. É um livro pequeno para tudo o que oferece.

    Gostei muito da tua opinião!

    Estava à espera de um Jorg horrendo, tendo em conta o que se diz dele, mas acabei por não achar nada disso. Sim, é um bocado estranho, mas é um excelente narrador e fica bem na categoria de heróis/vilões. Espero que ele vá evoluindo e fiquei contente quando se descobriu que havia algo na sua cabeça, pois era isso que eu também achava.

    Aquela parte da punhalada real como referiste também me espantou. O livro não tem nada de previsível e isso é bom!

    Bjs e boas leituras

    1. Concordo em absoluto. Espero que o segundo volume explore mais o mundo em si e desenvolva melhor os personagens já existentes.
      Tenho de ler a tua opinião.
      Beijinho e boas leituras.

  2. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #6 – Nuno Ferreira

  3. Pingback: Ficção especulativa em Junho de 2016 | Rascunhos

  4. Pingback: TAG – Os Cavaleiros do Apocalipse – Nuno Ferreira

  5. Pingback: Rei dos Espinhos, Trilogia dos Espinhos #2 – Nuno Ferreira

  6. Pingback: Estive a Ler: Imperador dos Espinhos, Trilogia dos Espinhos #3 – Notícias de Zallar

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s