A Lâmina, A Primeira Lei #1


– Nunca apostes contra um mago – sussurrou o aprendiz.

Não pareceu fazer grande diferença a Logen.

O texto seguinte pode conter spoilers do livro “A Lâmina”, primeiro volume da série A Primeira Lei

The Blade Itself é o nome original de A Lâmina, primeiro livro do autor britânico Joe Abercrombie e volume inaugural da trilogia A Primeira Lei. Publicado originalmente em 2006, pela Goolancz, A Lâmina chegou a Portugal em 2011, pelas mãos da Edições Gailivro.

A Lâmina apresenta-nos três cenários distintos no mundo/continente de Midderland, repletos de personagens complexos. Logen Novededos é um bárbaro temível e infame, que deve o seu nome à perda de um dedo em batalha. No norte distante, combate com os shanka, criaturas repugnantes vulgarmente conhecidos como cabeças-chatas. É lá que perde os seus companheiros e julga-os mortos. Logen tem o dom invulgar de conseguir falar com espíritos e é dessa forma que uma mensagem é-lhe enviada. Um mago poderosíssimo procura-o.

sem-titulo
Logen Novededos (pinterest)

Logen encontra Malacus Quai, um jovem aprendiz de magia, e salva-o de morrer à fome. Malacus leva-o até ao grande Bayaz, o Primeiro dos Magos. É uma figura ríspida e pouco convencional, que regularmente se usa de poderes do Outro Lado. Bayaz vive numa fortaleza nortenha, mas é uma figura de destaque em todo o mundo, tomando lugar em estátuas e retratos nas cidades mais civilizadas. Junto de Bayaz, Logen enfrenta o próprio Bethod, o sádico rei do norte que declarou guerra à União (a união dos povos ao centro de Midderland), senhor para o qual Logen já serviu e contra o qual se rebelou. Também os seus dois filhos, viscerais como o pai, mostram a sua face. Quando fica claro que Bethod não irá poupar ninguém, Bayaz, Malacus e Logen abandonam a fortaleza e dirigem-se ao centro do continente.

Ainda no norte, os velhos companheiros de Logen: Cão, Cabeça de Trovão, Dow Negro, Sisudo e o Mais-Fraco sobreviveram, ao contrário do que o guerreiro julga. Por sua vez, também eles pensam que o líder morreu, e prosseguem a sua campanha contra Bethod, ainda que a liderança do grupo seja motivo de diversas discussões e pequenas rixas, o que deixa clara a lacuna que a falta de Logen deixa no grupo.

sem-titulo
Os velhos amigos de Logen (yapattack em deviantart)

No centro do Círculo do Mundo fica Adua, uma cidade populosa onde reside o rei da União, Guslav V, e a família real. A Inquisição e o Exército têm grande preponderância no modo de vida desta cidade, e é lá que encontramos dois dos nossos protagonistas. Sand dan Glotka foi em tempos um guerreiro prodigioso, uma das grandes esperanças da União, mas na guerra contra Gurkhul, um poderoso império sulista, acabou sendo inutilizado de uma perna e tomado como prisioneiro, onde foi torturado. Quando regressou a casa, quebrado por dentro e por fora, Glotka acabou por tornar-se uma figura mesquinha e espirituosa. Nomeado como inquisidor, aplica aos prisioneiros uma terrível tortura, como se assim vingasse aquela a que foi submetido. Por vezes, Glotka usa a tortura para conseguir informações falsas, que agradem ao seu superior, o Arquileitor Sult. Claro está, sempre com a ajuda dos seus acólitos, Frost e Severard.

sem-titulo
Glotka e os seus acólitos (mackart)

É uma honra para todos os homens de boas famílias representar o Exército, e Jezal dan Luthar vive com esse fardo. Jezal prefere passar os dias a jogar e as noites a embebedar-se com os amigos. Mas não é isso o que esperam de si. O major Collem West foi um grande amigo de Glotka e soldado de grande talento. Vindo de famílias modestas, West ganhou o seu prestígio a pulso, graças a feitos como a quebra de um importante cerco. Por isso não entende como Jezal não aproveita a oportunidade que o seu sangue oferece. West tem uma irmã, Ardee, uma beleza exótica que vem virar o mundo de Jezal do avesso. Ainda assim, o marechar Varuz, que já treinara Glotka e West nos seus tempos áureos, não desiste de Jezal e torna-o um grande espadachim, de modo a que este consiga vencer a Prova que lhe está destinada.

sem-titulo
Personagens de A Lâmina (viragom)

Uma série de intrigas são tecidas no seio de Adua, culminando na chegada de Bayaz, Quai e Novededos à cidade. Ninguém acredita que o mago seja quem diga ser, uma vez que a sua figura faz parte da “mitologia” da cidade, e Sult envia Glotka para provar que Bayaz não é mais do que uma fraude. Mas algures no centro da cidade há um monumento de tempos imemoriais, que foi feito para ninguém entrar, e Bayaz diz ter a chave desse edifício: A Casa do Criador. Quanto mais Glotka investiga o caso, mais se apercebe que o impostor pode ser, na verdade, o próprio Bayaz.

As peças encaixam-se pouco a pouco, relações antigas desvendam-se e Ferro Maljinn, uma sulista que fugiu da escravidão chega à cidade, apadrinhada por Yulwei, um mago misterioso. Como um verdadeiro bicho-do-mato, Ferro não controla o seu sentimento de vingança contra a nação de Gurkhul, mas Bayaz garante que os seus adversários, tanto no norte como no sul, servem um mesmo propósito, e que terão de empreender uma grande viagem para os travar.

sem-titulo
Capa Edições Gailivro/ 1001 Mundos

SINOPSE:

A sorte de Logen Novededos, bárbaro infame, esgotou-se finalmente. Apanhado num combate em que não se deveria ter envolvido, está prestes a tornar-se um bárbaro morto, deixando para trás apenas canções más e amigos mortos.
Jezal dan Luthar, modelo de egoísmo, não tem em mente nada mais perigoso do que conquistar a glória no círculo de esgrima. Mas a guerra aproxima-se e, nos campos de batalha do Norte gélido, luta-se com regras muito mais sangrentas.
Ao inquisidor Glokta, torturado convertido em torturador, nada agradaria mais do que ver Jezal regressar a casa num caixão. Mas também é verdade que o seu ódio será extensível a todos os que conhece. Extirpar a traição no coração da União, uma confissão de cada vez, não deixa grande espaço para amizades e o mais recente rasto de cadáveres poderá conduzir directamente ao coração enfermo do governo… se conseguir sobreviver durante tempo suficiente para o seguir..

OPINIÃO:

Confesso que tinha grandes expectativas para este autor, livro e trilogia. E penei por isso. A Lâmina é um bom livro de fantasia, mas não é tão negro nem genial quanto mo pintaram, e fiquei ligeiramente desapontado.

Achei todo o mundo um deja-vu, com um povo bárbaro a norte, como os vikings, um povo civilizado (pseudo-europeu) ao centro e um sul de personagens escuros, remetendo-nos ao Médio Oriente. A forma gratuita com que a magia de Bayaz foi utilizada soou muito a infantil (e a linguagem do autor não é para público infantil, o que cria um contraste estranho) e foi utilizada como Deus Ex-Machina até mais não. Não há explicações para a magia utilizada, pelo menos neste primeiro volume, o que vai contra as Leis de Sanderson, que eu já seguia antes de saber quem era esse senhor.

sem-titulo
Jezal dan Luthar (yapattack)

Não gostei da forma nada casual com que todos os personagens confluíram para o mesmo sítio e a forma como fica a ideia: vamos juntar os protagonistas todos, formar uma espécie de Liga da Justiça e lutar contra o mal. E como? Não se sabe. Provavelmente, com algum tipo de magia vinda de nenhures. A forma como Logen foi visto no mundo civilizado veio descredibilizar e enfraquecer bastante a figura do personagem. Desabafado que está o que mais me desagradou, vamos aos elogios.

Não, A Lâmina não é um livro infantil. Joe Abercrombie tem uma escrita adulta e bem competente, e soube desenvolver alguns núcleos com maestria. É impossível passar ao lado dos diálogos irónicos e cheios de ritmo, que são uma das grandes mais-valias deste volume. A outra mais-valia são os personagens. Todos eles têm uma história, nuances positivas e negativas, e uma grande profundidade. Sand dan Glotka é um dos meus preferidos. É impossível passar ao lado dos seus pensamentos espirituosos sem pensar em Tyrion Lannister de As Crónicas de Gelo e Fogo. Glotka é uma vítima dos preconceitos da sociedade, mas é tão cruel quanto frágil.

sem-titulo
Ardee West (yapattack)

Adorei também Jezal dan Luthar, com as suas dificuldades de adaptação ao que lhe era imposto e dúvidas morais constantes, bem descritas. Os seus diálogos com Ardee foram dos melhores momentos do livro. Alguns personagens secundários como West e Cão tiveram capítulos com ponto de vista bem interessantes. Menos agradável foi conhecer Ferro, que podia ter aparecido somente no segundo livro, e apresentada de forma bem mais credível. O seu tutor serviu como muleta dispensável na história, recorrendo uma míriade de vezes a poderes vindos do nada para a levar ao ponto da história onde o autor a queria.

Ainda assim, para primeiro livro do autor, foi um ótimo entretenimento. Gostei bem mais da história, das intrigas palacianas e das conspirações de Abercrombie, do que as apresentadas por Robin Hobb ou Guy Gavriel Kay, apesar de perder em credibilidade e consistência. Os personagens têm algo de intimamente retorcido e divertido. Quanto à narrativa, espero que o segundo volume me surpreenda pela positiva, e estou curioso quanto aos destinos de Glotka, West, Ardee e Cão.

Avaliação: 6/10

A Primeira Lei (Gailivro/1001 Mundos):

#1 A Lâmina

#2 A Forca

#3 A Coroa

Anúncios

3 thoughts on “A Lâmina, A Primeira Lei #1

  1. Viva,

    Gostei muito desta trilogia, espero que os livros seguintes te cativem mais, ainda assim parabens pelo excelente artigo, sempre impecável, dá gosto ler 😉

    Abraço e boas leituras

  2. Pingback: A Divulgar: Nova trilogia de Abercrombie a caminho – Notícias de Zallar

feedback

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s