Poder e Vingança, Império das Tormentas #1


– Digam a todos! – gritou. – Amanhã ao meio-dia marchamos sobre os Três Cálices! E retomamos a nossa terra! Terra tão húmida e feia!

– Por onde o sol não passeia! – rugiu a multidão.

– Mas é na mesma o meu lar! – gritou o Ruivo.

– ABENÇOADO SEJA O CÍRCULO! – O grito retumbou pelo teatro como uma monção.

O texto seguinte pode conter spoilers do livro “Poder e Vingança”, primeiro volume da série Império das Tormentas

Lançado em junho do ano passado, Hope and Red chegou agora a Portugal. Trata-se do primeiro volume da trilogia Império das Tormentas, cujo segundo volume já saiu em fevereiro deste ano nos E.U.A. Jon Skovron é ainda um nome desconhecido para muitos, ligado ao young adult fantasy, mas foi ao aventurar-se num estilo mais ousado e adulto que atingiu maior reconhecimento. Poder e Vingança é o título em português do volume inaugural, traduzido por Jorge Candeias.

Natural de Colombus, Skovron é autor dos livros Misfit, Man Made Boy e This Broken Wondrous World, obras para jovens adultos que lhe granjearam elogios da Junior Library Guild e do site io9. Poder e Vingança, por sua vez, recebeu excelentes críticas do Publishers Weekly , do Bookbag e do Library Journal.

Sem título
Capa Saída de Emergência

O Império das Tormentas

O Império das Tormentas é o mundo desenhado pelo autor norte-americano. Trata-se de um grupo disperso de ilhas, nas quais se destacam Pico de Pedra, a norte, onde se localiza o palácio imperial, a imensa cidade de Nova Laven, ao centro, e as Ilhas Meridionais a sul, tratando-se da região menos civilizada do Império. Este cenário é controlado por um Imperador, que recorre aos serviços dos servos especializados para manter o seu domínio. Os Vinchen e os biomantes são as figuras mais poderosas nessa cadeia de poder.

Se os Vinchen são uma ordem de caráter instrospetivo e filosófico com um modo único de combater, há muito deixaram de ser um instrumento do Imperador. Desde os tempos de Manay, o Leal, que os Vinchen mantêm o juramento de proteger o Império, mas não o Imperador, porque acreditam que os homens são facilmente corrompidos e não devem ser por eles reverenciados. Para além de não deverem nenhuma vassalagem ao homem que controla o mundo conhecido, vivem em Charneca, no sul, afastados das influências nefastas do Império.

sem-titulo
Flyer Saída de Emergência

Por sua vez, os biomantes são a verdadeira força do Imperador. Um pouco místicos, um pouco cientistas, estes homens de vestes brancas utilizam a única espécie de magia visível neste mundo. Ao tocarem em seres vivos, têm a capacidade de os modificar geneticamente, o que os transformou em pessoas temidas pelo mais comum dos mortais. Para além de povoarem os pesadelos das crianças, ajudam a manter a ordem e a população sob rédea curta.

Se Selk, o Bravo, e Burness Vee, um Vinchen e um biomante, trabalharam juntos na formação do Império, pode-se dizer que há muito, muito tempo, que as duas ordens mantêm as costas voltadas. A única coisa que têm em comum é o facto de ser expressamente vedada a entrada de mulheres nas suas fileiras, uma regra cujas exceções farão a diferença.

Sem título
Cena do filme V de Vingança (comicvine)

O início de uma vingança

A aldeia de Esperança Sombria é completamente destruída por homens do Imperador, comummente chamados de impões pelas bocas mais esfomeadas da civilização. Entre os impões estava um biomante. Uma menina torna-se a única sobrevivente do massacre, vendo os próprios pais serem corroídos por vermes nojentos. A imagem do biomante que provocou a morte dos seus fica-lhe marcada para sempre na memória. Trata-se de uma mera criança, mas aqueles que a vêm assustam-se com a velhice estampada nos seus olhos.

É salva por uma embarcação, cujo capitão, Sin Toa, julga por bem deixar ao encargo dos Vinchen, em Charneca. Uma vez que não tem qualquer recordação do seu nome, apenas da designação da terra natal, a menina torna-se conhecida por Esperança Sombria. Hurlo, o Astucioso, é o Grão-Mestre da Ordem, uma figura de grande poder, conhecido por ter derrotado, na juventude, o lendário pirata Terrível Desgraça. A entrada de mulheres é proibida na Ordem, por isso Esperança começa a servir como criada. Ainda assim, é sabotada e marginalizada por alguns dos membros da irmandade.

Sem título
Esperança Sombria (pormenor da capa original)

É Hurlo quem enfrenta as regras estabelecidas e, às escondidas, começa a treinar Esperança na arte dos Vinchen. Com o passar do tempo, a rapariga torna-se uma guerreira exímia. Quando os membros da Ordem descobrem a traição, revoltam-se contra Hurlo e matam-no, ainda que este tenha entregue a Esperança a poderosa espada Canção das Mágoas e a tenha obrigado a fugir.

Esperança Sombria deixa Charneca com uma grande sensação de impotência, mas com um objetivo muito definido em mente. Encontrar o biomante que destruiu a sua aldeia natal e vingar-se. É encontrada por uma embarcação, o Gambito da Dama, onde é recebida com algumas reservas. No entanto, derrotar um monstro marítimo com grande facilidade facilita-lhe o ingresso e a afeição do capitão Carmichael. Outros tripulantes, como Ranking, porém, não a olham de igual forma.

Esperança ganha, a pouco e pouco, o respeito da tripulação, mas várias dificuldades conduzem o Gambito da Dama a Murgésia, onde a população foi completamente modificada com características aviárias. O grupo de Carmichael foge a uma chacina trágica. São essas contingências que fazem o navio aportar em Nova Laven, onde a vida de Esperança Sombria sofre uma reviravolta.

Sem título
Ruivo (capa original do 2.º volume)

Pirata e Ladrão

Nova Laven é uma cidade enorme, em que cada bairro quase parece uma cidade dentro da outra. Possuem características peculiares e têm o seu próprio modo de vida e engrenagens. Os ricos, apelidados pelos restantes de “rendinhas”, vivem protegidos pelo Império, em bairros sofisticados como Cascatas ou Chaves. O Bairro da Prata é um local de artistas e cores, quase uma ponte entre a zona pobre e a zona rica, enquanto os bairros decrépitos de Círculo do Paraíso e Ponta do Martelo revelam o lado sujo da cidade. Foi no Bairro da Prata que o Ruivo nasceu.

Gulia Pastinas era uma pintora famosa, extremamente dotada, que foi obrigada a abandonar o Solar Pastinas, em Cascatas, para perseguir o sonho de uma carreira. É que o seu pai nunca aceitou a sua arte, e renegou-a como filha. Gulia fixou-se então no Bairro da Prata e apaixonou-se por um prostituto, com quem haveria de formar uma família até à data da sua morte. Teve um filho, a quem chamou Rixidenteron, que viria a revelar grande talento para a pintura e que a ajudara em vários trabalhos nos últimos anos da sua vida. Gulia faleceu devido ao consumo de uma droga chamada pó de coral, a mesma substância a que se atribuía a cor avermelhada nos olhos do seu menino.

Nessa fase decrescente da vida de Gulia, o trabalho já não era tão apreciado e o pai de Rixidenteron voltara à prostituição para comprar os quadros da esposa e impedir que ela descobrisse que não fazia mais sucesso. Foi quando o menino, frustrado com o estado da mãe, lhe contou a verdade, que ela tomou uma grande dose de droga e morreu.

Sem título
Rua semelhante às do Círculo do Paraíso (morrowind em pinterest)

Por alguma doença relacionada com a profissão ou algo parecido, o pai de Rixidenteron também morreu e o rapaz viu-se atirado para as ruas, onde foi obrigado a sobreviver por sua própria conta e risco. Um dia foi capturado e estava prestes a ser vítima de tráfico quando conheceu Sadie, a Cabra. Sadie era uma ladra famosíssima no Círculo do Paraíso, que o salvou e acolheu como o seu melhor pintas.

Um dia, Sadie viu a sua reputação manchada ao perder a orelha na taberna da temida Madge, a Pendura, e dedicou-se ao alto-mar por alguns meses. Sadie batizou Rixidenteron de Ruivo e tornou-se uma terrível pirata, ao lado de um antigo amante conhecido como Ausente Finn, hábil na navegação e reparação de barcos, e de um grupo mais ou menos ousado, onde Ruivo se integrou com naturalidade. Na verdade, Ruivo revelava grande talento com as mãos: para pintar, roubar ou mesmo atirar facas de arremesso.

A aventura nos mares durou pouco tempo e Sadie arranjou forma de recuperar o seu respeito em Círculo do Paraíso, onde se tornou lenda. Os anos passaram-se e Sadie tornou-se uma velha doente, e Ruivo ganhou nome e a afeição do povo do Círculo. Jix Larápio deixou de dominar o bairro, morto, sendo substituído por um sujeito sinistro conhecido como Drem Cara-Morta, que tomou a estalagem Três Cálices como sede. Foi quando Ruivo e o seu melhor amigo, Grosso, tentavam roubar o tesouro de Drem, que conheceu Urtigas, uma rapariga independente e vulgarmente mordaz que os salvou dos capangas de Drem. Urtigas era guarda-costas num bordel, apesar da sua aparência aprazível, e muito competente no uso de uma corrente como arma. Ruivo e Urtigas envolveram-se, mas os sentimentos do rapaz atraiçoaram-no e ele apaixonou-se, coisa que ela nunca desejou. Pouco a pouco, ele aceitou a decisão e tornaram-se amigos.

Sem título
Jon Skovron num evento (book chic)

Os destinos cruzam-se

O Capitão Carmichael leva Ranking e Esperança à presença de Drem Cara-Morta, na esperança de conseguirem um trabalho que forneça a subsistência do Gambito da Dama. Mas o trabalho que Drem lhes propõe vai contra os valores de Carmichael e nesse momento é revelado que Ranking era um lacaio de Drem. Carmichael é morto e Esperança só sobrevive graças à sua enorme perícia com a espada… e a Ruivo. Absorvido pela beleza da rapariga, o jovem não hesita em enfrentar o sujeito que controla os destinos do bairro, dando início a uma verdadeira caça ao homem. Drem pretendia fazer do jovem Ruivo um dos seus capangas, mas a sua ofensa leva-o a erguer um prémio pela sua cabeça.

Ruivo salva Esperança, e a relação de corte e desdém inicial transforma-se numa história de amor. Pelo meio, Ruivo recorre aos seus contactos. Junto de Esperança, Urtigas, Grosso, a velha Sadie, o Ausente Finn, e sempre com a sua grande lábia, consegue oferecer resistência a Drem Cara-Morta. Procura a ajuda do Grande Sig, líder do bairro Ponta do Martelo, que o avisa para a aliança entre Drem e os biomantes, que envia locais como cobaias em experiências biológicas. É dessa forma que Ruivo incita o seu próprio povo contra Drem, e uma guerra civil tem início.

Sem título
Ruivo (fantasy-fiction)

Mas essa guerra é só o início de algo maior, porque os canhões do Império não são tudo o que têm a temer. Teltho Kan, o biomante que destruiu a aldeia de Esperança Sombria, está por perto, e a jovem não esquece o seu juramento de vingança, mesmo que tenha, para isso, que arrastar Ruivo para o passado que ele quer esquecer. Personagens como a adivinha Velha Yammy, o coleccionador de arte Thoriston Baggelworthy, a tia de Ruivo, Minara Pastinas e o seu primo Alash, um inventor de maquinarias à frente do seu tempo, vêm participar de uma caça ao homem que conduzirá o Gambito da Dama às profundezas do Império.

Paralelamente a isso, Brigga Lin, um jovem biomante, faz uma descoberta terrível sobre a Ordem, e está disposto a enfrentar o próprio Conselho de Biomantes para ter acesso aos poderes que lhe são negados.

Sem título
Capa original (Orbit Books)
SINOPSE:

UM PROCURA PODER. O OUTRO VINGANÇA.

Num império fraturado espalhado por mares selvagens, dois jovens de culturas diferentes encontram um objetivo em comum. Uma rapariga sem nome é a única sobrevivente quando a sua aldeia é massacrada por biomantes, servos místicos do imperador. Após receber o nome da sua aldeia devastada, Esperança Negra é treinada pelo mestre Vinchen como uma guerreira e instrumento de vingança.

Nas ruas da cidade de Nova Laven, um rapaz torna-se órfão e é adotado por uma das criminosas mais afamadas do submundo. Recebe o nome de Ruivo e é treinado como ladrão e vigarista. Quando um acordo é feito entre criminosos e os biomantes para governar as ruelas de Nova Laven, os mundos de Esperança e Ruivo acabam por chocar e eles são forçados a uma aliança inevitável…

OPINIÃO:

Primeiro estranha-se, depois entranha-se. É desta forma que posso qualificar este Poder e Vingança de Jon Skovron. Uma fervorosa história de amor e vingança, onde a importância dos valores primários de cada um é debatida página após página. Nas sarjetas de Nova Laven, é a força da união e o poder dos sentimentos que fazem pender os pratos da balança, num relato coeso e vibrante de um mundo bem construído que não deixa dececionados os fãs de Guy Gavriel Kay ou Mark Lawrence.

Não sendo original, a história oferece uma míriade de elementos surpreendentes que me agradaram. Desde a adição do espírito samurai, com os Vinchen, ao ambiente boémio de um bairro de artistas, que aliado à própria identidade geológica me faz lembrar as Ilhas Gregas e a sociedade pós-renascentista europeia, Poder e Vingança constitui uma narrativa rica em constrastes e culturas. Muito mais que uma história de piratas e gangues rivais, Jon Skovron escreveu um livro cheio de ação e surpresas, permeado por bons momentos de humor e personagens interessantes.

Sem título
Galeão pirata (League of Legends)

Ao longo da leitura fui tecendo algumas críticas e elogios nas redes sociais. Jon Skovron não chega à qualidade apresentada pelos maiores nomes do género fantástico. O início do livro deixou-me receoso. A escrita do autor é boa, mas está pejada de expressões – mesmo na narração em terceira pessoa – que fazem parte da cultura original de Nova Laven, uma série de termos de conotação sexual que geraram uma dificuldade acrescida na leitura. Após a consulta do glossário e a habituação a essa escolha narrativa, acabei por achar algumas expressões engraçadas.

O personagem Ruivo revelou-se um dos mais interessantes, devido ao seu passado e características peculiares, um dos mais explorados pelo autor, mais até que a protagonista feminina. Se Esperança mostrou ser um pouco insípida e órfã de emoções – já para não sublinhar a falta de credibilidade em muitas das suas cenas de combate -, Ruivo conteve um encanto especial que só foi eclipsado pelo excesso de sentimentalismo. Sadie atribuiu-o às origens “rendinhas” do personagem, mas Ruivo passou grande parte do livro a chorar por males de amor, o que fez perder algum do seu fascínio. Ainda assim, ele revelou-se o pilar do livro. A facilidade com que se meteu em sarilhos só foi comparada à forma como saiu deles, quase sempre com alguma ajuda pelo meio. De facto, a união no Círculo do Paraíso e o contraste entre personagens riquíssimos foi uma mais-valia.

Sem título
Mulher ninja (wall-pix)

Posso dizer com segurança que o miolo do livro trouxe os momentos de maior interesse, embora o livro tenha sempre melhorado até ao clímax final. Não esperava obter tanto desenvolvimento por parte do autor neste primeiro livro, mas acabei por gostar da maior parte das decisões, embora nomeadamente preferisse que o encontro com Brigga Lin ocorresse mais tarde e de forma mais casual. O gancho final revelou também inteligência, inspirando no leitor um medo sobrenatural legítimo.

A mitologia e a História são pouco desenvolvidos, mas os pormenores dados a conhecer satisfatórios. É um livro para adultos escrito por um autor de young-adult, talvez por isso tenha ficado com a sensação que seria um livro para todas as idades, não tivesse referências a órgãos sexuais de modo grosseiro citadas com tanta frequência. Foi uma leitura que não me arrebatou mas divertiu e quero com toda a certeza ler a continuação.

Este livro foi cedido em parceria com a editora Saída de Emergência.

Avaliação: 7/10

Império das Tormentas (Saída de Emergência):

#1 Poder e Vingança

#2 Liberdade e Revolução

Anúncios

5 thoughts on “Poder e Vingança, Império das Tormentas #1

  1. Viva,

    Já vou a mais de meio, não tenho a tua capacidade de analise mas tambem já li uns livrinhos dentro do genero, há coisas muito positivas (embora não originais) mas….não é um Scott Lynch (lembrei-me dele devido a Ruivo 😉 ) de todo mas pelo que percebo vai melhorando e temos um final interessante, depois comento melhor se necessário, mas falta aqui algo parece-me.

    Abraço e boas leituras

  2. Pingback: Resumo Trimestral de Leituras #10 – Notícias de Zallar

  3. Pingback: A Divulgar: “Liberdade e Revolução” pela Saída de Emergência – Notícias de Zallar

  4. Pingback: Estive a Ler: Liberdade e Revolução, Império das Tormentas #2 – Notícias de Zallar

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s