Estive a Ler: Bruxas | Wytches #1


Alguém me prometeu a elas! Fui prometida! Por favor, Tim! Tira-me daqui!

O texto seguinte aborda o primeiro volume da série Bruxas | Wytches  (Formato BD)

Chega este fim-de-semana às FNAC’s uma das novelas gráficas de horror mais elogiadas dos últimos anos. Wytches entra em Portugal pelas mãos da G Floy Studio, uma das maiores promotoras do mercado de BD nos últimos anos, sobretudo as nascidas sob a chancela Image Comics. Bruxas | Wytches tem argumento de Scott Snyder, autor de vulto da DC Comics conhecido por ser o escritor mais regular das séries Batman. Wytches é, para Snyder, um regresso às origens, pois foi no âmbito do horror que ganhou visibilidade, nomeadamente com American Vampire, uma série que escreveu para a Vertigo, impulsionado pelo seu ídolo, Stephen King.

A ilustração está a cargo do britânico Jock, conhecido pelos trabalhos em Arqueiro Verde e The Losers. Colaborou com Snyder pela primeira vez numa secção de Batman, tendo vindo a ser escolhido para a ilustração de Wytches, volume este que contou ainda com cores de Matt Hollingsworth, letras de Clem Robbins e edição de David Brothers. A publicação nacional contém os extras da edição original, incluindo notas de autor, esquissos e estudos de cores.

Sem título
Scott Snyder e Jock (Fonte: http://womenwriteaboutcomics.com/2015/04/28/c2e2-2015-an-overview-in-photos-part-ii/)

Li este livro recentemente em inglês e é com bons olhos que o vejo publicado em português de Portugal. As apostas da G Floy no género terror têm sido muito positivas e depois do que ouvira falar deste Wytches, posso dizer que não fiquei defraudado. Na verdade, nunca tinha lido nada de Snyder, até porque perdi a vontade de ler séries de super-heróis há algum tempo, e Bruxas | Wytches mostrou-me que é um autor cheio de talento, que sabe jogar com o público e com as ondulações narrativas. A série foi lançada em 2014 pela Image Comics e este primeiro volume compreende os números 1 a 6 da publicação original.

Bruxas | Wytches apresenta-nos uma família em busca de sossego e redenção. Após um acidente terrível que deixou Lucy numa cadeira de rodas, os Rook mudaram-se para Litchfield, no New Hampshire, onde pretendem recomeçar da melhor forma. Charlie e Lucy são pais de Sailor, uma menina ruiva que não se consegue encaixar na escola nova e revela diversas dificuldades de adaptação. A afundar-se na ansiedade e na depressão, Sailor reencontra os fantasmas do seu passado. Talvez de forma mais literal do que podem supôr.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

Na floresta que rodeia a nova casa, esconde-se algo sinistro e brutal. Mas não é tudo. Sailor é vítima de bullying na escola por uma garota chamada Annie, e essa sobreposição de acontecimentos fazem com que a rapariga fuja de casa. A mãe não parece preocupar-se, uma vez que o caso é colocado nas mãos da polícia. Charlie, porém, sente que já falhou com a filha e não está disposto a fazê-lo novamente. É então que descobre as suas notas depressivas e rastos que denotam o seu estado mental. Charlie inicia uma jornada para resgatar a filha das trevas. Para isso, porém, precisa encontrá-la.

“As apostas da G Floy no género terror têm sido muito positivas e depois do que ouvira falar deste Wytches, posso dizer que não fiquei defraudado.”

A floresta está pejada de bruxas. Bruxas antigas, bruxas que pretendem reclamar o que é delas. Bruxas que se confundem com as próprias árvores. Bruxas de corpos medonhos. Bruxas que alimentam-se das pessoas que lhes foram prometidas. Listas de pessoas oferecidas em juramento por outras pessoas, em troca de determinados desejos. O nome de Sailor foi-lhes entregue, e estes seres macabros moverão todos os esforços para se alimentarem da jovem. Custe o que custar.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

Com um mal tão antigo e profundo a abeirar Sailor, só o pai a pode salvar. Todos querem fazê-lo acreditar que Sailor adotou um comportamento típico de adolescente desajustada, mas Charlie pressente que é muito mais do que isso. A narrativa alterna entre passado e presente, criando um paralelismo interessante, abordando a tragédia que os marcou a todos, a relação que se construiu entre pai e filha e as dicotomias dos seus comportamentos, abrindo passagem para a luta pela sobrevivência que marcará todos os personagens, cada um da sua forma.

“A versão das bruxas de Snyder é bem diferente do que podemos imaginar ao pensar nelas. Esqueçam Sabrina (uma das referências na obra) ou até mesmo Salem.”

Não posso dizer que foi um livro que me maravilhou, mas foi todo ele bem tecido. Há um mistério a permear toda a trama que funcionou, assim como a forma como os personagens são explorados, nomeadamente Sailor e Charlie, a relação do seu passado com as bruxas e aquilo que elas significam. Há também uma aura de medo a envolver a existência das bruxas, o momento em que elas podem aparecer e o que fazer quando aparecem. A forma como o mais comum dos mortais pode ser igualmente assustador, graças à sua fragilidade moral e volatilidade provoca inquietação. Snyder joga muito bem com os medos básicos do Homem.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

Bruxas | Wytches cumpre o que promete. Dinâmico, intimista e até esperançoso, o álbum oferece o melhor que o género contém, integrando até pequenos apontamentos de humor e misticismo de forma superficial que não me desagradou. A versão das bruxas de Snyder é bem diferente do que podemos imaginar ao pensar nelas. Esqueçam Sabrina (uma das referências na obra) ou até mesmo Salem. Estas bruxas fazem-me mais lembrar o Venom do Homem-Aranha ou o Predador da série cinematográfica.

“Snyder joga muito bem com os medos básicos do Homem.”

A ilustração de Jock é um dos pontos fortes do álbum. Agressiva, escura, com uma variância de cores, traços e sombras que se confundem e se adaptam a cada circunstância narrativa. Consegue captar tudo o que precisamos das personagens, envolver-nos nelas como se de uma narrativa cinematográfica se tratasse. A palete de cores, as manchas e as sombras são sumo de qualidade nesta obra de grande aparato. Acabei por não me familiarizar por aí além com nenhum personagem, e estive constantemente à espera que um em concreto morresse, mas a história acabou por fluir de forma subtil e simples, numa sequência de pequenos passos dados na direção do final bem satisfatório, conclusivo q.b.

Avaliação: 8/10

Bruxas | Wytches (G Floy Studio Portugal):

#1 Vol. 1

 

3 comentários em “Estive a Ler: Bruxas | Wytches #1

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close