Estive a Ler: A Torre Negra, A Torre Negra #7


Bebé lindo, quero que tragas,

Bebé adorado, as tuas bagas

Chussit, chissit, chassit!

Vem encher esta cestinha!

O texto seguinte aborda o livro “A Torre Negra”, sétimo volume da série A Torre Negra

A Torre Negra é o último volume da série homónima, a conclusão épica para a visionária história concebida por Stephen King ao longo de trinta anos de paragens e arranques. O autor dispensa apresentações. Famoso autor de thrillers de terror e suspense, como It, Under The Dome, Carrie ou Shinning, King transporta para as páginas os medos mais básicos do ser humano, contando histórias mais ou menos credíveis com uma mestria ímpar.

A Bertrand Editora chega, em 2017, à publicação do último volume da saga, um livro com 888 páginas que narra a chegada do pistoleiro Roland de Gilead à tão almejada Torre Negra. A edição conta com tradução de Rosa Amorim e com ela é assente um pesado tijolo como conclusão para a história épica de Stephen King, um autor que se torna ele próprio personagem no mundo criado, um personagem-chave, que se insere tão bem nesse mundo como os personagens de outras obras, como é o padre Callahan.

Sem Título
Fonte: http://www.rollingstone.com/culture/features/stephen-king-the-rolling-stone-interview-20141031

Vim acompanhando, durante os últimos anos, a travessia do deserto de Stephen King que foi esta A Torre Negra. Na nota de autor, ele deixa claro que esteve longe de ser um trabalho bem sucedido no seu todo, mas não existem livros ou séries perfeitas e eu estou perto de sublinhar essa afirmação. Foi uma saga escrita ao sabor do vento, com nomes e criaturas e simbologias criadas do pé para a mão, por auto-recriação do autor. Foi uma série permanentemente em aberto, onde a imaginação de King imperou quando lhe faltava uma linha a seguir, o que se notou permanentemente.

Se houve um esqueleto previamente determinado para a saga A Torre Negra, ele transformou-se em pó ainda no primeiro terço do caminho. A partir do quarto livro, ficou claro que King andava ao sabor do vento, criando novas temáticas e símbolos para desenvolver a narrativa. E a verdade é que funcionou muito, mas muito bem, a partir do momento em que percebemos que os tão falados números 19 e 99, que apareciam permanentemente, cada um num dos mundos, estavam diretamente relacionados à data em que o autor foi atropelado durante uma caminhada a pé.

Sem título
Fonte: Bertrand Editora

Claro está, o volume final de A Torre Negra está repleto de duelos interessantes e grandes confrontos, mortes, confissões, perdas e esperanças. Não irei estragar a surpresa aos possíveis leitores, mas o texto seguinte contem alguns spoilers dos volumes anteriores. Não muitos. Estás por tua conta e risco.

“Na nota de autor, ele deixa claro que esteve longe de ser um trabalho bem sucedido no seu todo, mas não existem livros ou séries perfeitas e eu estou perto de sublinhar essa afirmação.”

A partir do momento em que Stephen King, ainda no volume A Canção de Susannah, se torna ele mesmo um personagem da saga, muitos dos disparates inventados por King começam – forçadamente ou não – a fazer sentido e a apontar para o final apoteótico desta grande saga literária. Apoteótico pode não ser a palavra adequada e o final não me parece ter enchido grandemente as medidas a ninguém, nem sequer ao autor, mas foi o final mais coerente e sentenciador que se podia esperar.

Este volume final começa com Jake, Oi e o padre Callahan a entrarem no Dixie Pig de armas em punho. O bar estava empestado de canibais, fossem eles vampiros, taheen ou outras coisas hediondas. O grupo estava separado, devido às diferentes missões que foram atribuídas aos diferentes membros do ka-tet, mas no mundo real, estes três personagens estavam destinados a tentar salvar Susannah, que havia sido levada por ali por Richard Sayre, um terrível vampiro.

Sem Título
Fonte: http://darktower.wikia.com/wiki/Dark_Tower

Susannah e Mia podiam ser vistas como uma e a mesma pessoa, muito embora não o fossem. Mia era uma criatura faminta e carente que necessitava absurdamente de ser mãe. Susannah fora a hospedeira, engravidando no momento em que haviam aberto o portal para Jake entre os mundos e ela fora obrigada a fornicar com um demónio para o distrair. Assim sendo, a criança teria duas mães (Susannah e Mia) e dois pais (Roland e o Rei Rubro). Sayre levou-a para o trabalho de parto através do Dixie Pig, numa sala confinada onde finalmente nasceu Mordred. O menino parecia um bebé normal, mas rapidamente se transformou numa aranha com cabeça de bebé. E com os olhos de Roland.

Roland Deschain de Gilead e Eddie Dean de Nova Iorque, por sua vez, viajaram para outro quando do nosso mundo, na tentativa de encontrar Stephen King e obrigá-lo a escrever a história da Torre Negra, de modo a salvar o Feixe. Tarefa concluída, são obrigados a tratar de certos pormenores para impedir certos paradoxos e decidem-se a reencontrar os seus companheiros, usando a palavra mágica Chassit.

O restante da história é um arrastar de acontecimentos viciante, dos confrontos armados no Dixie Pig, ao assalto a Algul Siento, à corrida contra o tempo para salvar King, às participações mais do que especiais de Sheemie, Ted Brautigan, Moses Carver, Joe Cullum e Patrick Danville. Só posso revelar que, no fim, Roland de Gilead encontra a Torre Negra e é mesmo uma torre e é mesmo negra, tal como o nosso imaginário coletivo a reproduz, embora possa não ser exatamente aquilo que Roland esperava. A caça de Mordred ao seu pai e o encontro com o Rei Rubro (com as suas sneetches do Harry Potter) são alguns dos momentos mais tensos da obra, sem deixar de lado uma certa dose de diversão.

Sem Título
Fonte: https://www.inverse.com/article/32091-stephen-king-books-the-dark-tower-cujo

Em vários momentos da reta final, o livro fez-me lembrar o Senhor dos Anéis. O tom de desolação, a atração da Torre, o mal que nela vive, a sensação de que alguém espia os personagens, remete bastante para a perseguição de Gollum aos hobbits e àquela última caminhada de Frodo e Sam em direção a Mordor. Mas a descrição de Stephen King inebria-nos com o cheiro das rosas, com os sons na cabeça de Roland, com a dor e com os sentimentos que florescem no personagem. King é dono de um poder de descrição que nos transporta de pronto para os lugares imaginados.

Mas é quando mata personagens que ele se supera. As cenas de mortes são as melhores dos livros e compensam largamente os momentos de literal palha que permeiam a série. Porque sim, são muitos. Este volume final tem quase 900 páginas e podia perfeitamente ser cortado pela metade e contar a mesma história. King enche chouriços com diálogos imensos e alguns até absurdos, capítulos do ponto de vista de personagens novos e sem importância só para os ver a morrer a seguir, por exemplo.

Sem Título
Fonte: https://www.theverge.com/2017/8/3/16088532/dark-tower-movie-review-adaptation-stephen-king-idris-elba

Vi-me, durante várias passagens do livro, a pensar por que raio escolheram Idris Elba para protagonista do filme quando o autor sublinha várias vezes que Roland é parecido com Clint Eastwood. E dei por mim a sorrir quando, num dos trechos finais do livro, há uma voz qualquer que diz ao personagem que ele vai obscurecer e mudar de cor. Faça sentido ou não, continuo a não gostar da escolha para o papel, mas como diz o povo, isso são outros quinhentos.

“Mas é quando mata personagens que ele se supera.”

É uma série que recomendo. Não entra no topo das minhas favoritas, mas é uma saga com cabeça, tronco e membros, com muitos momentos divertidos, com uma simbologia única e incrível que remete grandemente para a própria vida do autor e para outras das suas obras, e que nos faz criar uma conexão muito grande com o grupo protagonista. É impossível não passar ao lado do final que King reservou para cada um deles. Obrigado-sai. Longos dias e noites agradáveis.

Avaliação: 8/10

A Torre Negra (Bertrand Editora):

#1 O Pistoleiro

#2 A Escolha dos Três

#3 As Terras Devastadas

#4 O Feiticeiro e a Bola de Cristal

#4,5 A Lenda do Vento

#5 Lobos de Calla

#6 A Canção de Susannah

#7 A Torre Negra

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close