Estive a Ler: Maçãs Podres, Tony Chu: Detective Canibal #7


Apanha-o, Tony. Apanha-me esse cabrão e mata-o.

O texto seguinte aborda o livro “Maçãs Podres”, sétimo volume da série Tony Chu: Detective Canibal

Tony Chu: Detective Canibal é uma das BD’s de referência do atual panorama gráfico português. Publicado originalmente pela Image Comics, a obra conta com argumento de John Layman, ilustrações de Rob Guillory e a colaboração de Taylor Wells nas cores. O sétimo volume, Maçãs Podres, compreende os números 31 a 35 da edição original e chega até nós, uma vez mais, pelas mãos da G Floy Studio Portugal.

Best-seller do New York Times, Tony Chu: Detective Canibal narra a história de um cibopata, um detetive que revisita mentalmente os cenários e os acontecimentos mais hediondos após provar o sabor das vítimas, nem que seja uma simples lambidela ao sangue. Esta série já venceu dois Prémios Eisner e dois Prémios Harvey.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

É difícil falar de Tony Chu: Detective Canibal sem repetir-me em relação ao que escrevi já em anteriores resenhas. É uma das BD’s que me são mais queridas e nunca encontro boas justificações para isso. As reviravoltas mirabolantes, as múltiplas facetas dos personagens, cada um com o seu carisma peculiar, a ironia latente em todo o argumento e a irreverência estampada tanto na escrita de John Layman como nos desenhos de Rob Guillory são, só por si, motivos de sobra para ler esta BD.

A série está concluída e tem 12 volumes, pelo que começamos já a avançar pela segunda metade do ciclo com este Maçãs Podres. A narrativa está toda ela muito bem amarrada e, por mais voltas e voltas que demos, voltamos sempre a tocar pontas que, porventura, podíamos ter julgado soltas vários capítulos atrás. As várias convergências ao longo da série são outro dos pontos positivos a registar e os encontros e reencontros entre personagens conseguem trazer consigo uma carga de humor saudavelmente louca.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

Maçãs Podres mantém a toada e o ritmo. Começamos o volume no funeral de Antonelle Chu, a Toni, irmã-gémea do nosso cibopata. A família está presente em peso, a irmãs Rosemary e Sage, o irmão cozinheiro Chow, a irmã (ou será irmão) Harold, o cunhado Tang, a mãe Bao, o primo Charlie, o avô Ong e a filha de Tony, Olive. Sabe-se que Toni foi morta por um forte e bem dotado cibopata, levando a crer tratar-se do terrível Vampiro que Tony persegue há muito. Tony, no entanto, é conduzido mentalmente para outro funeral, ocorrido muitos anos antes. O funeral da sua própria esposa, Min Tso-Chu.

“A narrativa está toda ela muito bem amarrada e, por mais voltas e voltas que demos, voltamos sempre a tocar pontas que, porventura, podíamos ter julgado soltas vários capítulos atrás.”

Durante o funeral de Toni, porém, Mike Applebee aparece e reintegra Tony na FDA, entregando-lhe o distintivo e o revólver, assim como a John Colby, o seu parceiro de sempre. A dupla é chamada a agir quando uma nova marca de bebida energética/ dietética começa a causar consequências para lá de dramáticas àqueles que a bebem. O regresso à FDA, porém, leva Tony a outros reencontros. Caesar Valenzano, o antigo colaborador de Mason Savoy, é um agente de índole dúbia, com responsabilidades muito acima do que seria agradável verificar.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

De uma fábrica de chocolates à ilha de Yamalapu, várias serão as aventuras vividas por Tony Chu para tentar descobrir a origem de uma nova ideologia que tenciona levar a cabo uma Guerra Santa. Alani Adobo, Dominic Partridge e Jeremiah Cumberland são alguns dos muitos personagens envolvidos numa conspiração a nível global que volta a colocar em cena figuras icónicas como Mason Savoy, o galo Poyo ou o terrível Vampiro.

Paralelamente a isso, somos apresentados a David Eccles, um sujeito que fica com a expressão facial daquilo que come, e seguimos os dramas amorosos de John Colby, uma vez que tanto o seu chefe, Applebee, como a antiga supervisora, a diretora Peñya da USDA, estão perdidamente apaixonados por ele. E as situações que daí resultam são simplesmente hilariantes.

Maçãs Podres é um daqueles volumes que podem não trazer nada de novo ao todo, mas mostram precisamente àquilo que vêm. Vemos as peças a montar-se, mesmo sabendo que outras estão a ser desmontadas e o puzzle poderá voltar a desfazer-se no próximo volume, mas é bem claro que começamos a caminhar para os números mais decisivos da série, ainda que muito esteja ainda por acontecer e por revelar.

Sem título
Fonte: G Floy Studio

É uma série que podemos julgá-la como um policial, podemos julgá-la como uma sátira, e acabamos por perceber que é um policial, é uma sátira mas acima de tudo um fantástico entretenimento. Uma série sobre relações humanas completamente hilariantes, com momentos de ação, revelação e humor nas doses mais do que certas. É o “entretém” mais irreverente e louco com que podes sonhar.

E o que permeia isso tudo são os personagens maravilhosamente desenvolvidos pelo autor. Em cada volume aparecem umas boas dezenas de novos personagens, mas o núcleo central continua o mesmo, e ainda que alguns venham a desaparecer num volume ou outro, regressam sempre com grande ênfase. Porque cada nova aparição é realçada com saltinhos e foguetes e serpentinas.

“Uma série sobre relações humanas completamente hilariantes, com momentos de ação, revelação e humor nas doses mais do que certas.”

Uma nota de grande louvor para o trabalho de Rob Guillory. A arte é muito expressiva, consistente e mantém-se brilhante desde o primeiro volume. A diagramação é simples, as pranchas são visualmente muito atraentes e as sequências de fácil interpretação, mas são sobretudo as cores a darem vida e uma sensação de maravilhamento aos álbuns. Tony Chu: Detective Canibal continua bem e recomenda-se. Uma das melhores séries a serem publicadas no nosso país.

Avaliação: 8/10

Tony Chu: Detective Canibal (G Floy Studio Portugal):

#1 Ao Gosto do Freguês

#2 Sabor Internacional

#3 Enfarda Brutos

#4 Sopa de Letras

#5 Fome de Vencer

#6 Bolos Janados

#7 Maçãs Podres

#8 Receitas de Família

#9 Granda Frango

#10 Galo de Cabidela

#11 Últimas Ceias

#12 Maus Vinhos

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close