Estive a Ler: A Espada do Destino, The Witcher #2


— Não faz mal. Já estou molhado e já… Repara, não é assim tão fundo. Aqui, no primeiro degrau, a água nem chega à cintura, e o degrau é tão largo quanto um salão de baile. Oh, que treta…

O texto seguinte aborda o livro “A Espada do Destino”, segundo volume da série The Witcher 

Conhecido pela criação da personagem Geralt de Rivia e da série The Witcher, o autor polaco Andrzej Sapkowski venceu um rol de prémios importantíssimos, entre eles o Zajdel Award, o Polityka Magazine’s Literature Passport, o Spanish Ignotus Award e o David Gemmell Legends Award. A sua obra já foi traduzida para mais de vinte línguas, entre elas inglês, checo, russo, lituano, alemão, espanhol, francês, ucraniano e português. A sua saga literária The Witcher inspirou uma série de videojogos de grande popularidade que vendeu mais de 20 milhões de cópias no mundo inteiro.

Depois de a Edições Saída de Emergência ter publicado no ano passado o primeiro volume, com o título O Terceiro Desejo, chega agora às bancas o segundo, A Espada do Destino. Este livro segue a estrutura episódica do primeiro, sendo que a narrativa linear com um plot central será apenas iniciada no terceiro volume. Mais um sucesso da Coleção BANG!, A Espada do Destino é um livro de 336 páginas, com tradução de Tomasz Barcinski e adaptação de Rui Azeredo.

Sem Título
Fonte: http://lodz.naszemiasto.pl/artykul/andrzej-sapkowski-z-world-fantasy-award-2016,3796189,art,t,id,tm.html

Ainda que ache este livro mais bem organizado que o primeiro, e com personagens bem mais aliciantes (para além de ter muito mais Jaskier e Yennefer que O Terceiro Desejo), confesso que não gostei por aí além. Não desgostei, mas nem me surpreendeu, nem me satisfez, e até me aborreceu. Gostei de três contos e não gostei de outros tantos, mas mesmo os contos de que gostei achei muita conversa fiada, com muitos diálogos que não trouxeram nada de mais e as ações por vezes nem foram sequer mostradas, apenas contadas.

O melhor do livro é mesmo a escrita direta do autor e a forma simples com que ele nos consegue fazer sentir imersos no mundo apresentado. Muito embora conheçamos bem muitas daquelas raças, nomeadamente elfos, anões, sereias e outras criaturas do folclore eslavo, o autor conseguiu apresentá-los a todos de forma coesa e descomprometida, de um jeito fluído e natural. As histórias em si, porém, só começaram a melhorar na ponta final.

Sem título
Fonte: http://www.saidadeemergencia.com/produto/a-espada-do-destino/

No primeiro conto, O Limite do Possível, vemos o encontro de Geralt de Rivia, o bruxo caçador de monstros, com o sujeito conhecido por Três Gralhas, que o conduz numa épica caça a dragões onde vários bruxos e caçadores conceituados terão de unir forças para apanhar um raríssimo dragão dourado. Esse dragão, porém, tem um segredo bastante peculiar. O segundo conto intitula-se Um Fragmento de Gelo. Geralt chega a uma cidade de elfos, onde é obrigado a competir pelo amor de Yennefer com um feiticeiro chamado Istredd.

“Gostei de três contos e não gostei de outros tantos, mas mesmo os contos de que gostei achei muita conversa fiada”

Em O Fogo Eterno, Geralt encontra-se em Novigrad, onde descobre que o ananico Dainty Biberveldt foi copiado por uma criatura que se consegue adaptar à forma de qualquer um e adquirir as suas expressões. Com a ajuda de Geralt e do seu amigo gabarolas, o trovador Jaskier, Biberveldt tentará dar caça à criatura, conhecida vulgarmente como mímico, doppler ou vexling, antes que esta destrua a sua reputação e a sua fortuna. A participação de Chappelle, o vicário encarregado dos Serviços Secretos locais, irá causar uma reviravolta inesperada.

Sem Título
Fonte: https://www.origin.com/irl/en-us/store/witcher/the-witcher/enhanced-edition

O conto Um Pequeno Sacrifício fala de amor. Do amor entre o príncipe Agloval pela sereia Sh’eenaz, que terá Geralt como tradutor entre os dois, e dos pequenos sacrifícios que nenhum deles parece disposto a fazer. A sereia quer fazer um feitiço para dar uma barbatana ao príncipe, o príncipe quer dar pernas à sereia, o que resulta num impasse. Mas é também do amor que nasce na trovadora Essi Daaven, conhecida como Belos Olhos, por Geralt, que trata este conto. Um amor a que, aparentemente, Geralt não corresponde.

Em A Espada do Destino somos apresentados a Ciri, uma pequena princesa que, depois de fugir ao casamento combinado pela avó, a rainha de Cintra, com Kristin, é capturada às portas de Brokilon, a terra das dríades. Geralt encontra o barão Freixenet ferido e pouco depois a menina. São levados até ao coração de Brokilon pela dríade chamada Braenn, onde os espera a anciã Eithné, que revela intenções distintas para cada um deles. A verdade, é que uma profecia antiga une Geralt à pequena Ciri, profecia que ele parece disposto a desdenhar.

Sem Título
Fonte: https://www.hdwallpapers.in/ciri_the_witcher_3_wild_hunt-wallpapers.html

No último conto, Algo Mais, Geralt encontra-se ferido e é salvo por um homem chamado Yurga. Do estado febril ao encontro com Yennefer na noite de Belleteyn, da verdade escondida pelo druida Myszowor à surpresa revelada pela esposa de Yurga, Zlotolika, Geralt descobre a verdade sobre Ciri, que esta é a filha órfã de Duny e Pavetha e neta de Calanthe de Cintra: a Criança Surpresa. Um excelente mote para o que deverá ser a série iniciada com o próximo volume.

“A verdade, é que uma profecia antiga une Geralt à pequena Ciri, profecia que ele parece disposto a desdenhar.”

Apesar de parecer incluir conteúdos muito interessantes, os contos passam muito pelo diálogo entre os personagens, muitas páginas com conversas que não interessam nada e pouca é a ação que se pode encontrar entre estas páginas. O primeiro conto foi a aventura com mais ritmo, mas sinceramente uma caça aos dragões, mesmo que o final tenha sido agradável e surpreendente, não me aliciou muito. O segundo e o quarto contos foram meramente sentimentalóides, conversas e mais conversas sobre os amores de Geralt por Yennefer e de Essi por Geralt. Nada trouxeram de interesse ao livro.

Sem Título
Fonte: https://www.candb.com/en/artwork/1912/geralt-and-ciri-witcher-3-cd-projekt-red.html

O terceiro conto foi o mais ritmado e bem-humorado. O núcleo de Novigrad foi todo ele uma lufada de ar fresco, e tanto o ananico Biberveldt como o mímico que o imitava foram excelentes adições ao “elenco”. Já para não falar do final de que gostei muito. O penúltimo conto, que dá o título ao livro, porém, foi aquele de que mais gostei. Apesar de Sapkowski não se ter esforçado minimamente para descolar a história e as moradas das dríades da visão mitológica e tolkieniana dos elfos, Ciri revelou-se uma personagem e tanto.

“Ciri revelou-se uma personagem e tanto.”

A menina conseguiu mesmo alguns dos melhores momentos do volume e deu alguma utilidade e mistério à figura de Geralt de Rivia. Foi mesmo a história dela que me deu motivos para continuar a leitura. Embora o último conto tenha encerrado (ou iniciado, dependendo do ponto de vista) esta história como eu mais esperava e gostava, acabou por ser algo confuso e misterioso, valendo essencialmente pelas revelações sobre Ciri e sobre Cintra, que teriam sido bem melhores se fossem mostradas ao invés de contadas.

Sem Título
Fonte: http://www.gameblast.com.br/2015/05/livro-ultimo-desejo-witcher-resenha.html

A Espada do Destino é um livro que tem qualidade, mas que me pareceu somente uma história para crianças contada com recurso frequente a palavrões para parecer adulta. Geralt de Rivia é uma personagem com quem facilmente se cria empatia, é impossível não rir com as piadas de Jaskier ou não sentir a falta da proximidade de Yennefer, mas o livro acaba por não me encher as medidas. Aborreceu-me em maior medida do que me cativou. Ainda assim, não deixo de reconhecer alguma qualidade na prosa de Sapkowsky, tanto nos diálogos como nas cenas retratadas que, a meu ver, poucas foram as que encontrei neste volume.

Não é por acaso que Andzej Sapkowski é um dos autores de fantasia vivos mais publicados em todo o mundo. Acima de tudo, a popularidade da série deve-se ao videojogo baseado nos livros, mas os dotes de contador de histórias são um dos principais atributos do autor polaco, que estará em Portugal nos dias 14, 15, 16 e 17 de dezembro na EXPONOR, para a edição de 2017 da ComicCon Portugal. Um evento a que nenhum fã do autor deverá faltar.

Este livro foi cedido em parceria com a editora Saída de Emergência.

Avaliação: 5/5

The Witcher (Edições Saída de Emergência):

#1 O Terceiro Desejo

#2 A Espada do Destino

#3 O Sangue dos Elfos

#4 O Tempo do Desprezo

#5 Batismo de Fogo

#6 A Torre da Andorinha

7 comentários em “Estive a Ler: A Espada do Destino, The Witcher #2

  1. Gostaria de saber quem é a mulher que aparece para geralt quando ele visita o momento de sofrem? Ele dis que ela a segue e mata todos pra deixá-lo sozinho!

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close