Estive a Ler: O Homem de Giz


À semelhança de algumas coisas na vida, há sonhos que têm de seguir o seu rumo. Mesmo que conseguisse acordar, o sonho havia de voltar.

O TEXTO SEGUINTE ABORDA O LIVRO O HOMEM DE GIZ

C. J. Tudor é uma autora natural de Salisbury que cresceu em Nottingham, onde ainda vive com o companheiro e a filha. O seu amor pela escrita, em especial pelo macabro e pelo sinistro, manifestou-se prematuramente. Enquanto os jovens da sua idade liam Judy Blume, ela devorava as obras de Stephen King e de James Herbert. The Chalk Man foi o seu primeiro romance, já para lá da barreira dos 45 anos.

A escritora, Caroline Jane Tudor de seu nome, esteve mais de uma década a tentar publicar um livro, e até conseguir arranjar uma editora e obter sucesso na escrita, passou pelos mais variados trabalhos, entre os quais se pode contar um que não é muito vulgar no nosso meio: o de passear cães. Em Portugal, The Chalk Man foi publicado pela Editorial Planeta, num volume com 320 páginas, tradução de Victor Antunes e o enigmático título O Homem de Giz.

Resultado de imagem para monsters inc gif
Fonte: https://giphy.com/explore/monster-inc

A minha opinião sobre O Homem de Giz divide-se em quatro fases: primeiros dois, três capítulos bons, restante da primeira metade muito mau, segunda metade muito boa, último capítulo totalmente dispensável. Pela premissa, pelo tipo de livro que é, por aquilo que acabou por ser, este livro inaugural de C. J. Tudor tinha tudo para me agradar, mas acabei por virar a última página com uma imagem em mente: imitação pálida de Stephen King.

“Eu adoro thrillers e tive mesmo pena de não gostar mais.”

E quando digo imitação pálida sublinho as duas palavras. Imitação e pálida. Imitação não só porque é um livro que recria várias cenas conhecidas do famoso escritor, como as personagens em crianças são um tremendo plágio aos meninos de It: A Coisa. O livro também é contado entre passado e presente, mas sem uma milésima da qualidade do romance de King. Daí o pálida. E não é um trocadilho com o chamado Homem de Giz que dá título ao livro.

Sem Título
Fonte: https://www.bertrand.pt/livro/o-homem-de-giz-c-j-tudor/21291952

O thriller é realmente de uma qualidade muito inferior a tudo o que já li de Stephen King, e apesar de à partida ser injusto comparar um romance de estreia com o mestre do género, a verdade é que não só o material promocional o faz como a própria autora nos convida a fazê-lo. Independentemente de tudo isso, a partir de um determinado momento da história, sensivelmente a meio, dá-se um clique muito positivo.

O Homem de Giz conta a história de cinco amigos que passaram por uma experiência um tanto ou quanto traumática aos doze anos e vários elementos desse mistério regressam para os atormentar trinta anos depois. O protagonista da história é Eddie, que em 2016 se revela como um professor frustrado, um homem que não consegue largar alguns vícios e problemas pessoais, como a cleptomania, o álcool ou mesmo algum TOC. Eddie continua a viver na casa onde cresceu e é através dos seus olhos que revivemos a história da pequena cidade de Anderbury.

Sem Título
Fonte: https://www.jbnet.pt/pt/articles/novidade-ja-disponivel–o-homem-de-giz

Em 1986, Eddie faz parte de um grupo de amigos onde se podem contar Fat Gav, Hoppo, Metal Mickey e uma menina ruiva e sardenta chamada Nicky. Mas a vida naquela pacata cidade não parece propriamente calma. Quando um acidente num parque de diversões magoa uma rapariga por quem ele se interessara – naquele preciso momento –  um professor local apressa-se a chamar pela sua ajuda e os dois transformam-se em heróis ao salvarem a vida à menina. Esse professor é Halloran, que todos chamam de Homem de Giz à custa do seu tom de pele.

“E quando digo imitação pálida sublinho as duas palavras. Imitação e pálida.

O que Eddie não podia prever era que Halloran se apaixonasse pela rapariga, uma vez que ela era muitos anos mais jovem, ou que o sentimento fosse recíproco. Mas quando Elisa é misteriosamente assassinada, o professor albino é desde logo responsabilizado pelo crime, acusação à qual não se pode defender uma vez que se suicida pouco depois. É esse mistério que volta para assombrar Eddie e os seus amigos trinta anos depois, quando os mesmos desenhos em giz que ele e os amigos costumavam fazer aparecem à porta da sua casa.

Resultado de imagem para it2017 gif
Fonte: https://www.wattpad.com/474986331-losers-it-gif-series-losers-it-2017-gif-series

Para minha surpresa, uma boa surpresa, não há nada de sobrenatural neste livro, para além das sugestões bem metidas e dos pesadelos do protagonista, descritos de uma forma arrepiante e visual. Registo na segunda metade do thriller uma melhoria substancial, com todo um suspense e um comprimir de respiração muito bem executados. Das cenas em que só podemos especular quem é o assassino, à identidade do mesmo e às motivações para tal, C. J. Tudor está de parabéns. Por isso, estive quase a dar uma avaliação positiva ao livro.

Quase. Eu adoro thrillers e tive mesmo pena de não gostar mais. As cenas passadas em 2016 foram sempre muito mais apetecíveis que as de 1986, mas mesmo essas tornaram-se mais interessantes com o desenrolar da narrativa. A conclusão cativou-me, para depois no último capítulo levar uma chapada. Um detalhe relacionado com os bonequinhos de giz que não comprei minimamente, esvaziando a credibilidade da narrativa. É sempre bom termos um protagonista com falhas, mas não nos podemos esquecer nunca do que a narração em 1.ª pessoa obriga. Juntando isso às semelhanças gritantes com King, não posso avaliar melhor um livro que não desgostei por completo.

Avaliação: 4/10

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close