Fala-se de: Falcão e o Soldado do Inverno T1


Falcão e o Soldado do Inverno é uma série produzida pela Marvel Studios para a plataforma de streaming Disney +. Confirmada oficialmente em abril de 2019, a série teve o início das suas filmagens em outubro de 2019 em Atlanta, na Geórgia, e posteriormente na República Checa em março de 2020, antes de a produção ser interrompida devido à pandemia de COVID-19. A produção foi retomada em Atlanta em setembro do mesmo ano, com uma curta filmagem na República Checa retomada em outubro, e foi concluída no final do mês.

Parte integrante da Fase Quatro do Universo Cinematográfico Marvel (MCU), The Falcon and the Winter Soldier estreou em 19 de março de 2021 e terminou a 23 de abril de 2021 com um total de seis episódios. Malcolm Spellman foi o principal argumentista, com Kari Skogland na direcção. A série surgiu da ideia de Kevin Feige, o presidente da Marvel Studios, em desenvolver as duas personagens que dão o título à série, que haviam revelado uma boa química nos filmes da saga Capitão América.

A série acontece entre três a seis meses após o final de Vingadores: Endgame (lê aqui a minha opinião ao filme). Depois que metade da população regressou após uma ausência de cinco antes decorrente do Blip, o estalar de dedos de Thanos com a Manopla do Infinito, Sam Wilson / Falcão (Anthony Mackie) trabalha com a Força Aérea dos EUA na Tunísia para investigar um sequestro levado a cabo por Georges Batroc (Georges St. Pierre) e membros do grupo terrorista LAF. Wilson recupera um refém do avião com o apoio do membro da Força Aérea, Joaquin Torres (Danny Ramirez).

Wilson recebeu o manto de Capitão América de Steve Rogers (Chris Evans), mas sente não ser merecedor da responsabilidade e doa o escudo de Rogers ao governo dos EUA para que possa ser exibido num museu. Bucky Barnes (Sebastian Stan) frequenta a terapia exigida pelo governo como parte do seu perdão, onde tenta superar os seus traumas pessoais e pesadelos diários, recorrentes da vida que levou como Soldado do Inverno.

Ao mesmo tempo, um movimento conhecido como os Apátridas espalha o terror na Europa. Durante o período do Blip, quando metade da população desapareceu, os que ficaram tornaram-se muito mais unidos, o mundo foi mais inclusivo e as casas deixadas ao abandono foram então ocupadas. Este movimento contesta o regresso dos seus antigos donos que os deixaram então desalojados, uma vez que os governos sacudiram a responsabilidade dos ombros sobre os agora refugiados. Através da força e da destruição, os Apátridas liderados por Karli Morghentau (Erin Kellyman) promovem o mundo como era antes; são Super Soldados, decorrentes de lhes ter sido administrado o soro de que Steve Rogers foi cobaia.

Para combater esta ameaça mundial, o governo atribuiu o escudo de Capitão América a um militar condecorado pelos seus feitos no Afeganistão, John Walker (Wyatt Russell). Ao lado do sargento maior do Exército Lemar Hoskins / Estrela Negra (Clé Bennett), Walker é facilmente assoberbado pela popularidade do manto, vivendo para os holofotes e para o estrelato. No que diz respeito à acção, recorre à brutalidade sem a sensatez e discernimento que pautava a disciplina de Rogers. A dupla irá então bater de frente com Sam e Bucky, que se sentem indignados pela forma como é maltratado o legado do Capitão América, mas também colaborar na luta contra os inimigos comuns.

Destaco ainda as interpretações de Daniel Brühl com Helmut Zemo, Emily VanCamp como Sharon Carter (que introduz a famosa cidade de Madripoor no MCU), Julia Louis-Dreyfus como a misteriosa Valentina Allegra de Fontaine, Florence Kasumba como Ayo, uma representante de Wakanda e Carl Lumbly como Isaiah Bradley, um Super Soldado afro-americano que lutou na Guerra da Coreia, vítima de experiências científicas por mais de trinta anos, sem que qualquer referência ao seu nome conste na História do país.

Ainda que não me tenha agradado tanto como WandaVision (lê aqui a minha opinião), é mais credível e explícita, para além de me ter surpreendido pela positiva. Destaco o desenvolvimento de personagens e o desenvolvimento do mundo. Esta série é extremamente importante para a credibilidade do Universo, não só quanto à aceitação do escudo por parte do Falcão, como também à adaptação do mundo ao regresso dos ente-queridos desaparecidos. Traumas pessoais são debatidos, assim como a inclusão na sociedade, tanto no que diz respeito ao tratamento aos refugiados, como à receptividade a um homem negro numa pele tão popular como é a de Capitão América.

Avaliação: 7/10

Um comentário em “Fala-se de: Falcão e o Soldado do Inverno T1

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close