Resenha: As Águias de Roma #5

Armínio é o Cavalo de Tróia dos germanos! Está na altura de o perceberem!

O texto seguinte contém spoilers do quinto volume da série As Águias de Roma (formato BD)

Enrico Marini é um autor já bem conhecido pelos portugueses. Depois da publicação de Rapaces, A Estrela do Deserto ou O Escorpião, a Edições ASA apostou na série As Águias de Roma, uma emocionante história de guerra, irmandade e amor situada nos anos conturbados da Roma Antiga. O Livro V foi lançado em dezembro do ano passado.

Marco e Armínio foram criados como irmãos, instruídos na educação romana. Mas Armínio não é o seu nome verdadeiro. Ele é um germânico, adotado e protegido por um senhor romano. Como as runas predisseram, será Ermanamer – nome de nascença de Armínio – quem irá unir as tribos da Germânia e contribuir para a capitulação de Roma. Para isso, tem de desafiar o Império, as suas convicções e as suas promessas. Assim como o seu irmão de criação.

Sem título
Capa Edições ASA

O princípio do fim

Depois de várias tentativas de alertar Varo para as intenções de Armínio, todas elas goradas graças à confiança cega do governador no seu sequaz, Marco é confinado a um transporte para cativos, onde é obrigado a tolerar um companheiro de cela provocador. No caminho, encontra Priscilla, a sua amada, e faz o seu segurança prometer que a protege, assim como ao filho de ambos, do pesadelo que está para vir. Lépido, o esposo de Priscilla, enfrenta um Marco enclausurado, e percebe que o seu rival é o verdadeiro pai de Tito, o menino que pensava ser seu.

A tensão emerge nas fileiras romanas com o crescente poderio militar dos germânicos. Armínio move as suas peças e consegue o apoio de Segestes, o pai da sua amada Thusnelda, o que reforça a sua posição. As forças romanas são desbaratadas. Também a formação que acompanha a cela de Marco é atacada, e o romano vê aí uma oportunidade para fugir.

Sem título
Prancha Edições ASA

A vitória do lobo

O lobo e a águia digladiam-se mais uma vez, em termos metafóricos, tal como nas visões de Marco. Com bastante perícia, ele combate contra os germânicos e consegue escapar-se-lhes, ainda que a legião romana perca o embate. Marco corre para Varo com o relato do ocorrido.

O general guarda reservas em acreditar que Armínio o traiu, mas o relato de um outro sobrevivente, este sim de confiança, vem-lhe trazer a verdade amarga. Varo liberta Marco e ruge as suas ordens. Tardiamente. Ao descobrir que é filho de Marco, o pequeno Tito reage com horror e foge, mas o pai tudo faz para garantir a sua segurança. A investida de Armínio é letal. Ainda que Marco lute com valentia, o seu irmão de criação é um estratega militar sem igual, esmagando os exércitos romanos com a sua força de armas. As mortes de Varo e Lépido vêm, inevitavelmente, trazer mudanças na trama.

Sem título
Prancha Edições ASA
SINOPSE:

Prestes a atacar, o lobo mantêm-se até ao fim ao lado das Águias de Roma…. Quem poderia imaginar que Armínio, em quem o general romano tinha absoluta confiança, se havia tornado chefe de guerra dos Germanos? O que é certo é que a sua traição surtiu efeito: o exército romano é atacado por todos os lados e Marco, prisioneiro, vê-se completamente impotente. Por detrás das grades, ele não consegue nem combater o seu antigo irmão de sangue nem proteger Priscilla e o seu filho…

OPINIÃO:

Dinâmico e intenso, o enredo de As Águias de Roma continua a narrar os feitos inesquecíveis de Armínio, a história de uma traição que embaraçou o Império Romano. Pelas mãos de Enrico Marini, esta série é um marco na BD francófona recente e com razões para isso.

Sem título
Edições ASA

A história avança a bom ritmo. Simples e atraente, a narrativa de Marini envolve-nos numa sequência de ações de aparente casualidade que revelam não só uma fluidez de enredo como também a capacidade de contar histórias do autor franco-belga. A história não revela grandes novidades, mas consegue manter o leitor preso na vontade de saber o que se sucederá.

A arte de Marini tem na expressividade o seu maior destaque. Os desenhos são bem definidos e do que tenho visto em BD, poucos são os artistas contemporâneos que se lhe conseguem equiparar. A cor é outra da grande qualidade desta série. Não transmitindo “verdade”, transmite clareza, o que é, a bem dizer, o mais importante para o sucesso de um álbum gráfico.

Avaliação: 8/10

As Águias de Roma (Asa):

#1 Livro I

#2 Livro II

#3 Livro III

#4 Livro IV

#5 Livro V

As Águias de Roma #4

Muitos deles sacrificaram-se na Ilíria e ainda não receberam o saque que lhes foi prometido. O seu ódio contra Roma aumenta dia após dia.

O texto seguinte contém spoilers do quarto volume da série As Águias de Roma (formato BD)

A série em banda-desenhada de Enrico Marini chega ao clímax neste quarto volume, publicado em Portugal pela Edições ASA. No livro anterior, Marco descobriu que o seu irmão de criação, Armínio, organizava uma rebelião germânica contra Roma, e este volume começa precisamente com uma batalha entre as forças de Marco e as de Loktar, libertado por Armínio. Em Visurgis, no quartel-general de Varo, Armínio salva a vida ao governador, ganhando assim mais uma dívida de gratidão e um voto de confiança.

sem-titulo
Armínio (Marini)

Regressado da guerra, Lépido aterroriza a mulher, Priscilla, e tenta violá-la em frente ao filho, embora o menino acabe por fugir e ser instigado por Armínio a matá-lo. Depois, Armínio regressa para junto dos clãs germânicos e engendra um encontro com Thusnelda, a filha de Segestes, com quem vive um romance proibido.

Nesse momento, Loktar e Marco enfrentam-se em batalha e Marco é aprisionado, sendo levado a Armínio. Quando um bárbaro germânico reclama a liderança dos clãs e desafia o jovem estratega para um combate corpo a corpo, o prisioneiro Marco recebe uma visita inesperada, que o liberta e ajuda a fugir. Encontra as forças de Segestes, o seu aliado germânico, e regressam a Visurgis, tentando convencer Varo da traição de Armínio. Envenenado pelas palavras deste, o romano não acredita em Marco e manda prendê-lo, depois de uma testemunha o acusar de ter assassinado o seu servo Nektarius. Nas masmorras, Armínio revela as suas intenções ao antigo amigo, enquanto o pequeno filho de Marco e Priscilla surpreende Lépido com uma faca.

Sem Título
Capa Edições Asa
SINOPSE:

As runas já o haviam anunciado: ele era aquele que iria unir as tribos da Germânia. Mesmo que para isso tivesse de trair Roma, que tudo lhe deu, que fez dele o homem que ele é agora. Armínio vai então desafiar o império romano. E Marco vai afrontar Armínio, o seu irmão de sangue. Assim se cumprem os destinos, desprezando a história e a amizade. E, quem sabe, também o amor… Porque, embora Marco seja soldado e romano, quem vive no seu coração não é o império, mas sim Priscilla. Priscilla que, mais uma vez, parece escapar-lhe. Renunciará ele à sua amada e àquele filho que chama «pai» a outro homem?

OPINIÃO:

O quarto volume de As Águias de Roma é um desfile de acontecimentos, batalhas e volte-faces que apenas vem consolidar a minha opinião positiva sobre a série. Os dois personagens principais, Marco e Armínio, demonstram desde o primeiro volume um desenvolvimento gradual, um desdobramento de comportamentos e ações que refletem a forma como cada um encara os princípios e valores em que foram gerados. Ao mesmo tempo que são a antítese um do outro, os dois personagens complementam-se.

De forma consistente e credível, Marini constrói um jogo de acontecimentos emocionantes com bastante sumo narrativo, levando o leitor a sentir os dramas dos personagens e conduzindo-o numa guerra entre dois homens que foram um dia os melhores amigos. A história fictícia antecede um facto real, a batalha da Floresta de Teutoburgo, onde Armínio massacrou as legiões romanas.

Mais um volume repleto de detalhes notáveis a nível gráfico, que consolidam este como o trabalho mais conceituado de Enrico Marini. O traço expressivo consegue inquietar e excitar, tanto nas cenas de volúpia como nas descrições de batalha, e a variância de tons continua a ser um fator muito positivo para a “leitura” das pranchas. Resumindo, posso considerar este como uma das melhores produções gráficas dentro do género histórico que já li, seguindo o melhor da tradição franco-belga.

Avaliação: 8/10

As Águias de Roma (Asa):

#1 Livro I

#2 Livro II

#3 Livro III

#4 Livro IV

#5 Livro V