TAG – Carnaval Literário

Boa tarde! Hoje trago-vos uma TAG literária propícia à quadra. É a TAG – Carnaval Literário e e todos estão convidados a fazer a sua. Vamos ver o que me vai calhar. :p

#1 O melhor carro alegórico

Um livro que todos adoraram, tu estavas com medo de ler e acabaste por cair no hype

Sem título

O Império Final é, definitivamente, um livro que eu tinha a certeza que ia odiar antes de ler. Felizmente Brandon Sanderson trocou-me as voltas e embora Mistborn tenha as suas falhas, é uma saga que recomendo a todos os amantes de boa fantasia.

#2 A vida são dois dias, mas o Carnaval são três

Um livro que lias, lias, lias, e parecia nunca mais acabar

Sem título 2

O quarto livro da Saga do Assassino de Robin Hobb, A Vingança do Assassino, foi uma verdadeira indigestão. Sequências lentas repetiram-se umas atrás das outras, e apesar de não ter desgostado do livro no seu todo (e confesso já ter saudades da saga), foi um volume de tamanho médio que demorei muito tempo a ler.

#3 Camarote VIP

Um livro que leste antes de virar moda

sem-titulo

Bem, não posso dizer que fui um pioneiro na leitura de A Guerra dos Tronos (nem pouco mais ou menos), mas li-o mal saiu a primeira temporada da série de televisão e o hype ainda não era nada comparado ao que se tornou.

#4 Atrás da multidão

Um livro que “toda a gente leu” e tu ainda não

sem-titulo

A par das séries de Peter V. Brett e Robert Jordan, Crónicas do Regicida de Patrick Rothfuss é uma das mais famosas que ainda não tive o privilégio de ler. Apesar de já ter lido um conto de Rothfuss que não me convenceu, espero que este seja o ano em que finalmente leia O Nome do Vento.

#5 Loucura Total

Um livro que todos te aconselharam e… não gostaste

sem-titulo

Sandman, de Neil Gaiman, é uma das obras mais consensuais dentro do universo das bandas-desenhadas. Apesar de não ter gostado do primeiro volume, Prelúdios e Nocturnos, insisti na leitura e li toda a série. Não conseguiu agradar-me por aí além em nenhum momento, mas reconheço o seu mérito.

#6 Terça-Feira é o último dia

Um livro que chegou ao fim, mas querias que não acabasse ali

Sem Título

Sem dúvida um dos meus livros preferidos de sempre, República de Ladrões de Scott Lynch não conseguiu atingir o patamar de excelência do primeiro volume da sua série, As Mentiras de Locke Lamora, mas ainda assim deixou-me com aquele gostinho de “quero mais” pela chuva de expectativas que o final deixa para o quarto volume.

#7 Depois do Carnaval, a ressaca

O livro que te deixou com a maior ressaca literária

sem-titulo

O último livro das Crónicas de Gelo e Fogo. Pois é, senhor Martin. Temos muito que falar. Deixar os leitores anos e anos à espera para saber o que aconteceu, quando os protagonistas da saga estavam em situações críticas, é mau demais. Os Reinos do Caos deixou-me de ressaca até hoje.

Sintam-se à vontade para participar e responder à TAG – Carnaval Literário.

A Vigília, Sandman #11

A família não mandou perguntar quem tinha enviado o mensageiro; afinal, não era a primeira vez que recebiam a visita de mensageiros.
E há certos poderes que ninguém, nem mesmo os Eternos, prefere investigar muito a fundo.

O texto seguinte pode conter spoilers do livro “A Vigília”, décimo primeiro volume da série Sandman (Formato BD)

O último volume de Sandman: Mestre dos Sonhos inclui as edições 70 a 75, publicadas originalmente entre 1995 e 1996. Michael Zulli, John J. Muth e Charles Vess são os ilustradores do capítulo final da obra de Neil Gaiman.

A Vigília acompanha o velório e o funeral de Morfeu, povoado pela maioria dos personagens apresentados ao longo dos onze volumes. Antes, Daniel torna-se o novo Mestre dos Sonhos, ressuscitando os membros do palácio que haviam sido assassinados pelas Benevolentes; apenas Gilbert se recusa a regressar ao mundo dos vivos. Por sua vez, o corvo Matthew recusa a aceitar a morte de Morfeu e culpabiliza-se. Então, os Eternos conectam-se aos homens da Necrópole (da história de A Estalagem no Fim do Mundo) para preparar o ritual fúnebre.

sem-titulo
Prancha Levoir/Público

Lyta volta à sua vida normal. Rose sonha. Alexander Burgess dorme. Robert planeia viajar e não regressar. Mas sonha. A Rainha Titânia ruma ao Mundo do Sonho. O anjo Duma viaja ao Mundo do Sonho. Madame Bast também. São inúmeros os amigos e conhecidos de Sonho que se unem para comemorar a vida do Mestre. Todos prestam as devidas homenagens, cada um à sua maneira. Os destaques vão para os comportamentos de cada um: da roupa colorida de Morte (em oposição ao seu habitual negro), às revelações de Abel e Lucien sobre a morte de Sonho enquanto ser vivente, às histórias que cada um conta sobre ele.

O novo Sonho permanece no Palácio sozinho com os seus guardiões. Ali recebe uma visita, que o motiva no desempenho da sua tarefa. Depressa se percebe que Daniel é também ele o antigo Sonho, uma nova perspetiva do mesmo homem. De forma semelhante à recriação de Coríntio, que guarda certas memórias e a mesma essência, também o Mestre persiste no corpo de Daniel, agora também chamado de Sonho ou Oneiros, mas não de Morfeu. Ele procura Lyta, acusando-a do seu conluio com as Benevolentes e revelando-lhe não ser mais Daniel, porque o filho que ela gerou foi queimado por Loki no mundo terreno. No entanto, o novo Sonho mostra-se diferente do antigo, mais cordial, mais dócil, e talvez uma versão melhor de si mesmo.

O volume prossegue com vários fechares de portas. Conhecemos o destino de Gadling e a sua namorada escura; um interessante conto oriental com participação ativa de Sonho, que nos faz recordar o velho adágio de Lavoiser: “nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” e ainda o último tributo de William Shakespeare a Sonho – a promessa em falta – que resulta na peça A Tempestade, que viria a ser a última do autor. Neste conto final vemos referências ao ato rebelde de Guy Fawkes e conhecemos de perto a essência do célebre dramaturgo, correlacionando ficticiamente a vida do autor à interferência de Morfeu.

sem-titulo
Capa Levoir/Público
SINOPSE:

Quando o sonho termina, chega o momento da vigília. No último volume da série, os amigos e a família de Morfeu reúnem-se para lhe prestar uma última homenagem, enquanto o seu sucessor, Daniel, revela uma abordagem bastante mais flexível ao papel de Mestre dos Sonhos. E a série termina com Shakespeare a cumprir a sua promessa a Morfeu e entregar a última das peças que tinha prometido ao Senhor dos Sonhos: A Tempestade.

OPINIÃO:

Sandman – Mestre dos Sonhos chega ao fim e com ele somos brindados por uma enxurrada de emoções. Em primeiro lugar, vamos falar do personagem-título e da aura que envolve este volume. Embora o último álbum tenha sido permeado por uma sensação de despedida e o início do novo volume nos leve a comungar do mesmo toque fúnebre, rapidamente nos deixamos ultrapassar por essa tristeza e percebemos a mensagem subliminar de Neil Gaiman. Sonho não morreu. Os sonhos nunca morrem, apenas se podem transformar. E o personagem Sonho é como uma cobra, que somente muda de pele.

A Vigília é ambientada num cenário de velório e funeral, mas é de renovação e de esperança que ele fala. A renovação de Sonho, a esperança do amanhã no retorno de Mervyn, na gravidez de Rose ou na escolha de Matthew. Um dos melhores álbuns de Sandman, A Vigília consegue fechar com sucesso o puzzle, embora tenha ficado a ideia que a maioria dos volumes foram aleatórios e pouco substanciais. Os volumes Casa de Bonecas, Estação das Brumas, Vidas Breves, As Benevolentes e A Vigília fariam de Sandman uma banda desenhada excelente, sem mais adições. Alguns dos outros álbuns trouxeram contos muito bons e histórias fechadas geniais, no entanto, existiu uma sobrecarga de histórias paralelas contadas aos bocados, muitos solavancos, histórias esparsas e recurso a referências em excesso.

sem-titulo
Prancha Levoir/Público

Resumindo, Sandman – Mestre dos Sonhos, é uma excelente obra gráfica que fala sobre a vida e a morte, mas sobretudo sobre o poder de sonhar. Infelizmente, se posso enaltecer o valor simbólico da narrativa – e a excelente escrita de Neil Gaiman – não posso elogiar a própria narrativa. Aos poucos, familiarizei-me com os personagens e gostei deles, mas mesmo quando me afeiçoei, senti que o curso dos acontecimentos só “engatou” nos últimos álbuns.

A arte mostrou-se coerente ao longo dos livros, bastante competente para os dias em que foi organizada. Ainda assim, revelou alguma perda de qualidade ao longo dos volumes, apenas recuperada por Hempel em As Benevolentes, e neste último volume por Michael Zulli, que já havia registado algumas das melhores ilustrações da obra em encadernações passadas. O trabalho preservado a lápis de Zulli, nos momentos fúnebres deste A Vigília, transmitiu a sensação de perda e desenlace de uma forma bastante adequada e funcional.

Avaliação: 7/10

Sandman: Mestre dos Sonhos (Levoir/Público):

#1 Prelúdios e Nocturnos

#2 Casa de Bonecas

#3 Terra do Sonho

#4 Estação das Brumas

#5 Um Jogo de Ti

#6 Fábulas e Reflexões

#7 Vidas Breves

#8 A Estalagem no Fim do Mundo

#9 As Benevolentes 1

#10 As Benevolentes 2

#11 A Vigília